Rodrigo Coca / Agência Corinthians
Rodrigo Coca / Agência Corinthians

Conheça Roni, 'filho do terrão' que está há 16 anos no Corinthians e estreou diante do Bahia

Volante de 21 anos, que perdeu o irmão que também queria ser jogador em 2016, foi capitão em todas as categorias na base e marcou seu primeiro gol contra o time de Mano Menezes

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2020 | 11h30

Demorou pouco mais de 16 anos para que o volante Roni Medeiros de Moura - ou simplesmente Roni - fizesse sua estreia pelo profissional do Corinthians. No entanto, bastaram 34 minutos para que o jogador de 21 anos marcasse seu primeiro gol no clube onde cresceu. Nesta quarta-feira, diante do Bahia, ele foi escolhido pelo técnico interino Dyego Coelho para atuar no time titular.  A equipe venceu por 3 a 2, garantiu sua primeira vitória após o batismo da Neo Química Arena e o "filho do terrão" se destacou.

Roni chegou ao Corinthians em 2004, quando tinha cinco anos. Sua integração precoce lhe rendeu a oportunidade de passar por todas as categorias de formação. A princípio, ele começou no futsal, onde jogou por seis anos. Em 2010, no entanto, foi transferido para os gramados do Parque São Jorge

O volante faz parte de uma safra de jogadores conhecidos da base. Roni jogou ao lado de Pedrinho, Léo Santos, Léo Jabá e Fabrício Oya. Em 2016, foi campeão da Copa do Brasil Sub-17. No ano seguinte, da Copa São Paulo de Futebol Júnior, a Copinha. Nas duas ocasiões, ele era o capitão do time. Ele vestiu a braçadeira em todas as categorias. Isso porque o volante é conhecido internamente como um jogador de espírito aguerrido, que não se entrega.

Ao término da partida contra Bahia em Itaquera, sua primeira no profissional, ele dedicou o gol ao seu irmão, Tupã, que morreu em dezembro de 2016. Na ocasião, Roni estava concentrado com os seus companheiros de base para a disputa da Copa Rio Grande do Sul. Mesmo sabendo da notícia, ele continuou com o elenco até o Corinthians ser eliminado. Não quis deixar os companheiros.

"Gol muito especial, faz mais de 16 anos que estou no Corinthians, e o sonho sempre foi jogar no profissional e fazer um gol. Trabalhei muito, só eu e minha família sabemos o que passamos. Queria dedicar esse gol para o meu irmão. Ele faleceu", disse, ao canal Premiere, e acrescentou: "Eu sempre falei para ele que um dia seria profissional e poderia ajudar meu pai e minha mãe a comprar uma casa. Esse sempre foi o sonho dele". 

Tupã tinha a mesma ambição de Roni: ser jogador profissional de futebol. Ele chegou a jogar no time "B" do Palmeiras. Não deu certo. Ele morreu em decorrência de uma parada cardíaca durante jogo de várzea. Era mais velho do que Roni.

O jogador do Corinthians foi integrado ao elenco pelo técnico Tiago Nunes, em julho, mas não havia sido utilizado. Com a chegada de Coelho, que já o treinou nas categorias inferiores, ele deve ganhar mais destaque. Em sua estreia, o novato jogou como segundo volante, mas isso não lhe impede de atuar em outros setores do campo. Roni começou a jogar como atacante e também já atuou como meia e segundo volante. O sonho de dar uma casa para os pais já foi realizado.

Seu gol contra o time de Mano Menezes foi num chute de fora da área, de frente para o gol, mostrando uma característica carente no futebol nacional, os arremates. Coelho ainda não sabe se ele seguirá no time ou se vai esperar por novas oportunidades no banco. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.