João Godinho/Estadão
João Godinho/Estadão

Conmebol abre investigação após queixa do Cruzeiro

Real Garcilaso poderá sofrer duras punições em razão do comportamento de sua torcida

Agência Estado

14 de fevereiro de 2014 | 12h29

ASSUNÇÃO - A Conmebol informou nesta sexta-feira que vai abrir investigação para apurar as manifestações de racismo contra o volante Tinga, após receber a queixa formal do Cruzeiro, na quinta. Alvo da queixa, o Real Garcilaso poderá sofrer duras punições em razão do comportamento discriminatório de sua torcida. Pelo Regulamento Disciplinar da entidade, atos racistas podem até causar a desclassificação do time.

"A Unidade Disciplinar da Conmebol abriu uma investigação preliminar diante da denúncia recebida no dia de ontem por parte do Cruzeiro. O clube brasileiro reclama que no jogo disputado no dia 12, contra o Real Atlético Garcilaso, torcedores do clube local mostraram conduta racista contra o jogador Paulo César Fonseca do Nascimento ''Tinga''", registrou a Conmebol, em nota.

A entidade destacou que a investigação ainda é preliminar e que pode culminar com a abertura de um expediente disciplinar contra o clube do Peru. Segundo o artigo 12 do Regulamento Disciplinar, a punição por atos discriminatórios pode ir de uma multa de US$ 3 mil até a eliminação do campeonato, passando ainda por perda de mando de campo, jogos sem torcida e perda de pontos.

Tinga sofreu ataques verbais dos torcedores do Real Garcilaso desde que entrou em campo no Peru, durante o segundo tempo da partida disputada em Huancayo, em rodada válida pelo Grupo 5 da Copa Libertadores. Após substituir Dagoberto, na estreia do Cruzeiro na competição, Tinga ouviu torcedores locais emitirem sons de macacos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.