Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Andrés Cristaldo / EFE
Andrés Cristaldo / EFE

Conmebol é restituída em R$ 8,6 milhões desviados de seus cofres por ex-dirigentes

Dinheiro é recuperado das contas pessoais de Eduardo Delucca, o ex-secretário-geral da instituição, após investigação na Suíça

Redação, Estadão Conteúdo

13 de julho de 2021 | 16h20

Nove meses após ser restituída em mais de R$ 260 milhões, a Conmebol acaba de receber outra grande quantia desviada de seus cofres e descoberta por investigação na Suíça. As fraudes e o desvio de dinheiro vinham sendo analisadas pelos europeus desde 2019. Desta vez, o reembolso é de aproximadamente R$ 8,6 milhões recuperados de contas pessoais de Eduardo Delucca, o ex-secretário-geral da instituição.

Delucca e o ex-presidente Nicolás Leoz passam por enorme investigação do Ministério Público da Suíça após desviarem dinheiro da Conmebol por anos. A denúncia foi registrada em 2016, quando Alejandro Domínguez assumiu a presidência da entidade de futebol sediada em Assunção, no Paraguai.

O primeiro lote de devolução aos cofres da entidade do futebol sul-Americano ocorreu no fim de 2020. O dinheiro estava em contas "fantasmas" na Suíça. Desta vez, a apuração encontrou valores desviados na conta de Delucca. A Justiça suíça ordenou a devolução de US$ 1.749.625 da conta pessoal, equivalente a R$ 8,6 milhões.

"Os fundos pertenciam à Confederação Sul-Americana de Futebol e foram desviados ilegalmente. Este valor se soma aos mais de US$ 55.000.000 (cerca de R$ 286 milhões, no câmbio de hoje) que a Conmebol recuperou no ano passado das contas pessoais de ex-líderes da instituição", informou a entidade.

"Dentro da estratégia de Contas Claras - hoje Regras Claras - a recuperação de fundos apropriados de forma irregular tem sido uma ação sustentada desde 2016", seguiu. "O ponto de partida deste processo, que hoje mais uma vez está dando frutos, é a implementação de auditorias, a aplicação de uma estratégia legal eficiente e a plena cooperação com a Justiça da Suíça e dos Estados Unidos."

Para acabar de vez com a corrupção na Conmebol, o presidente Domínguez solicitou e obteve uma extensão do mandato, que prevê todas as ações necessárias para a recuperação os fundos que foram roubados do futebol sul-americano.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolConmebolcorrupção

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.