Jorge Adorno/Reuters
Jorge Adorno/Reuters

Conmebol pede à Fifa para que a Copa América seja disputada em anos pares

Presidente da entidade quer que o calendário já mude em 2020

Estadão Conteúdo

18 Setembro 2018 | 23h02

A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) pediu para a Fifa que a Copa América seja disputada em anos pares após a realização do torneio de 2019 no Brasil. "Quero tornar público um pedido que fizemos para a Fifa de que a partir de 2020 a Copa América seja disputada em anos pares. O último ano que se jogaria em anos ímpares seria a Copa do Brasil em 2019", disse o presidente Alejandro Domínguez.

O dirigente abordou o assunto com a imprensa boliviana após uma reunião do conselho da Conmebol nesta segunda-feira, em La Paz. Com a realização em anos pares, a Copa América coincidiria com a Eurocopa, cuja próxima edição está prevista para 2020.

A avaliação é de que esta alteração facilitaria que os grandes clubes europeus permitissem a convocação de seus melhores jogadores para disputar a competição internacional. Domínguez afirmou também que a Conmebol está buscando "uma fórmula que seja tanto equitativa como justa" para definir as futuras sedes da Copa América.

Sobre a eleição da cidade-sede para a final da Copa Libertadores e da Copa Sul-Americana, o presidente explicou que será definida por licitação nos próximos anos, após a definição de que em 2019 elas serão em Santiago e Lima, respectivamente. "Todas as cidades interessadas poderão participar."

Outro assunto abordado pelo dirigente foi o número de vagas sul-americanas nas próximas Copas do Mundo. "Até agora, o concreto e seguro é que a Conmebol terá 6,5 vagas no Mundial de 2026, que será nos Estados Unidos, Canadá e México", disse Domínguez, que pediu à Fifa para que este número também seja possível para a Copa do Catar, em 2022.

Domínguez ainda buscará apoio para que a Bolívia seja sede de algum Mundial, pedido do presidente boliviano Evo Morales, que esteve presente na reunião em La Paz.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.