Conmebol
Conmebol

Conmebol recua e volta a permitir clubes de divisões inferiores nos seus torneios

Decisão anterior poderia barrar eventuais campeões da Copa do Brasil

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de maio de 2019 | 20h46

A Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) anunciou nesta quarta-feira, 22, que os times que disputam divisões de acesso em seus respectivos campeonatos nacionais vão poder disputar as copas Libertadores e Sul-Americana em 2020. A entidade voltou atrás da decisão tomada na terça, 21, que barrava times fora das divisões de elite em seus torneios.

A medida pegou os clubes de surpresa e chegou a ser publicamente contestada pela Superliga argentina, que pediu para a AFA (Associação Argentina de Futebol) interceder junto à confederação para mudar a situação. Com a decisão, times que disputam as séries B, C e D do Campeonato Brasileiro, por exemplo, não poderiam participar da Libertadores mesmo se conquistassem a Copa do Brasil.

Times como Paysandu, Sampaio Corrêa e Juventude, hoje na terceira divisão do futebol brasileiro, perderiam qualquer chance de disputar a principal competição de clubes do continente. Na história recente da Libertadores, Palmeiras (2013), Paulista (2006), Santo André (2005) e Criciúma (1992) foram as equipes brasileiras que jogaram o torneio mesmo sem estar na Série A.

Em comunicado divulgado nesta quarta, a Conmebol atualizou os critérios de elegibilidade para as agremiações disputarem seus torneios: ter se classificado por “mérito esportivo”; não estar cumprindo sanção que inviabilize a particação na Libertadores e/ou Sul-Americana; obter a licença de clubes da Conmebol, concedida por sua respectiva federação; enviar carta em conformidade com o regulamento da entidade até o prazo estabelecido.

A confederação fará uma reunião com representantes das federações nacionais na próxima quarta, 29, em Buenos Aires, para discutir as regras e o calendário das edições de 2021 da Libertadores e da Sul-Americana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.