Cesar Olmedo/ EFE
Cesar Olmedo/ EFE

Conmebol suspende árbitros que anularam gol legal do Cerro Porteño contra o Fluminense

Equipe paraguaia saiu derrotada em sua casa por 2 a 0 pela equipe das Laranjeiras

Redação, Estadão Conteúdo

14 de julho de 2021 | 18h38

A Conmebol decidiu suspender por tempo indeterminado os árbitros Julio Fernandez, da Argentina, e os chilenos Cesar Deishler e Eduardo Gamboa. Eles foram, respectivamente, o assistente, o árbitro de vídeo e o auxiliar de VAR envolvidos diretamente no erro grosseiro que prejudicou o Cerro Porteño no revés para o Fluminense por 2 a 0 ao marcarem impedimento em um gol legal do time paraguaio.

A Conmebol afirmou que a atuação dos três foi analisada pela comissão de árbitros da entidade, que concluiu que eles "cometeram erros graves e manifestos no exercícios de suas funções" na partida em que trabalharam.

O gol mal anulado foi marcado aos 40 minutos do primeiro tempo. No lance, o atacante Boselli estava em posição legal, mas o assistente levantou a bandeira antes mesmo da conclusão, contrariando o protocolo, cuja orientação é esperar o fim da jogada para fazer a sinalização. Em seguida, o VAR, liderado por Cesar Deishler, analisou o lance e decretou o impedimento.

Nesta quarta, a Conmebol divulgou os áudios da conversa entre os membros da equipe de arbitragem e reconheceu o erro. O vídeo mostra que os responsáveis pelo VAR, ao fazerem as marcações das linhas de impedimento, aproximaram a imagem e ignoraram a presença de Samuel Xavier no canto inferior esquerdo da tela. O lateral é quem dava condições ao atacante do Cerro Porteño. Com isso, utilizaram o Luccas Claro erroneamente para determinar uma das linhas.

O Fluminense venceu o Cerro Porteño por 2 a 0 no Paraguai e levou para o Rio uma ótima vantagem. No jogo de volta, semana que vem, no Maracanã, poderá até perder por um gol de diferença que avança às quartas de final da Libertadores.

Julio Fernandez, Cesar Deishler e Eduardo Gamboa seriam, respectivamente, assistente, auxiliar de VAR e árbitro de vídeo em Olimpia x Internacional nesta quinta-feira, mas, com a suspensão, foram substituído por Diego Riveiro, Estebenan Ostojich e Pablo Llarena, todos uruguaios.

Ariel Martínez, diretor do Cerro, não ficou satisfeito com a suspensão dos árbitros e disse que o clube vai enviar um ofício para a confederação sul-americana exigindo uma decisão "extraordinária".

"Merece uma decisão extraordinária porque é uma situação extraordinária. A punição (aos árbitros) não é suficiente. Está bem que os punam, que os afastem. Mas e nós? Tem que nos ressarcir de alguma maneira. Vamos apresentar uma nota, a equipe jurídica está trabalhando. Mas a Conmebol não precisa de uma nota para tomar medidas", falou o dirigente em entrevista à Rádio ABC Cardinal 730 AM.

OUTRA SUSPENSÃO

 A Conmebol também suspendeu o colombiano André Rojas e o paraguaio Derlís Lopez, que foram, respectivamente, juiz e árbitro responsável pelo VAR do duelo entre Boca Juniors e Atlético-MG. A entidade considera que os dois protagonizaram "erro grave" ao anular o gol do time argentino aos 34 minutos do primeiro tempo. Depois de ir ao monitor do VAR, o juiz entendeu que o atacante Briasco empurrou o zagueiro Nathan Silva e invalidou o gol. O jogo terminou empatado em 0 a 0.

Derlis López seria responsável pelo VAR no confronto entre Defensa Y Justicia e Flamengo, nesta quarta, mas acabou sendo substituído pelo peruano Diego Haro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.