Conquista da Roma consagra Capello

Um dos maiores destaques da Roma não entra em campo e nem faz gol. Mas o título de campeã de 2000/2001 do Campeonato Italiano de Futebol começou a ser conquistado na temporada passada, com a contratação do técnico Fabio Capello, que comemorou neste domingo o sexto título de campeão nacional de sua vitoriosa carreira.Contratado pela fortuna de US$ 4 milhões por ano, Capello correspondeu ao investimento feito pelo clube. A Roma obteve uma campanha impressionante, liderando 32 das 34 rodadas do torneio. A equipe terminou com o melhor ataque (68 gols a favor) e a segunda melhor defesa (33), atrás somente da Juventus, que sofreu apenas 27 gols em todo o campeonato.Aos 55 anos, o treinador nascido em Pieris, na província de Gorizia, próximo da Áustria, foi jogador do Milan. Ele começou a carreira de técnico na temporada 1986/1987, também no Milan, clube em que conquistou cinco scudettos, três Supercopa da Liga Italiana, uma Supercopa da Europa e uma Liga dos Campeões da Europa.Na temporada 1996/1997, Capello dirigiu o Real Madrid, na Espanha, onde também foi campeão. De volta à Itália, foi 10º colocado com o Milan em 1997/1998. Não trabalhou na temporada seguinte e, no retorno à sua atividade, levou a Roma ao 6º lugar em 1999/2000.Para o treinador, a conquista deste domingo foi a mais difícil de sua vida. "Tivemos de somar o recorde histórico de 75 pontos para sermos campeões. Juventus e Lazio lutaram até o fim", afirmou o treinador. "Temos um grupo bom e humilde, que pode conseguir novas conquistas importantes."No campo, o elenco da Roma tem uma base sul-americana. Além dos brasileiros Aldair, Antônio Carlos, Marcos Assunção, Cafu e Emerson, a equipe conta com os argentinos Gabriel Batistuta, Walter Samuel e Abel Balbo e o uruguaio Gianni Guigou.O último scudetto da equipe havia sido conquistado em 1983, quando o brasileiro Falcão transformou-se em "rei de Roma". O primeiro título do clube foi obtido em 1942.

Agencia Estado,

17 de junho de 2001 | 19h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.