Conquistas anteriores no Mundial Sub-17 revelaram Ronaldinho e Kaká

Dono de três títulos na categoria, Brasil divide com a Nigéria o posto de maior campeão do torneio

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

17 de outubro de 2013 | 08h00

SÃO PAULO - Duas das três conquistas do Brasil no Mundial Sub-17 revelaram jogadores que se tornariam vencedores do prêmio de melhor do mundo pela Fifa anos depois: Ronaldinho e Kaká. A primeira edição do torneio foi em 1985, na Nigéria, e foi vencida pelos donos da casa. A primeira conquista brasileira veio somente em 1997, no Egito. Ronaldinho comandou a equipe que ganhou os seis jogos e, na final, bateu Gana por 2 a 1 e se vingou da derrota justamente para o mesmo adversário no Mundial anterior, disputado no Equador.

Dois anos depois novamente o Brasil levantou a taça. Na Nova Zelândia, dois jovens, o atacante flamenguista Adriano e o meia são-paulino Kaká (na época ainda chamado Cacá) foram os destaques daquela edição. O título mundial veio com drama, após disputas nos pênaltis contra Gana, na semifinal, e Austrália, na decisão. A terceira conquista veio em 2003, na Finlândia. O adversário na disputa da taça foi a poderosa Espanha, que tinha no elenco Cesc Fábregas e David Silva, duas importantes peças da atual seleção principal. O Brasil do volante Arouca e do atacante Abuda levou a melhor na final e ganhou pelo placar de 1 a 0, gol do zagueiro Leonardo, atualmente no Criciúma. Depois disso, o máximo que a seleção brasileira conseguiu na competição foi ser finalista em 2005, no Peru, e perder para o México, liderado por Giovanni dos Santos pelo placar de 3 a 0.

Em 2009, na Nigéria, a equipe contava com Neymar, mas não passou nem sequer da fase de grupos. Na última edição, em 2011, o time com o meia Lucas Piazón e o atacante Ademilson foi novamente derrotado pelo Uruguai na semifinal por 3 a 0. Na disputa do terceiro lugar, novo tropeço: vitória da Alemanha por 4 a 3. O Brasil é ao lado da Nigéria o país que mais tem títulos mundiais Sub-17. Depois, com duas conquistas cada, aparecem México e Gana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.