Marcio Fernandes/Estadão
Marcio Fernandes/Estadão

Conselho do Santos reprova contas do clube do ano passado

Um dos problemas é a compra de Damião por R$ 42 milhões

Estadão Conteúdo

26 de junho de 2015 | 08h50

O Conselho Deliberativo do Santos reprovou, em reunião extraordinária na noite desta quinta-feira, por unanimidade, o balanço patrimonial do clube em 2014, último ano da gestão do ex-presidente Odílio Rodrigues. Os 231 membros referendaram a decisão de veto sugerida pelo Conselho Fiscal, reprovando as contas do clube. Agora, o documento vai para Comissão de Inquérito e Sindicância e ainda pode terminar na Justiça Comum.

Nas próximas semanas o balanço será analisado e, caso a Comissão considere que houve erros graves na gestão do dirigente, Odílio pode ser punido com a expulsão do quadro de sócios ou até mesmo com uma ação na Justiça Comum. O ex-presidente tem até cinco dias para pedir sua defesa.

A auditoria nas contas realizada pela empresa Parker Randall havia sugerido anteriormente a reprovação do balanço e os membros do Conselho Deliberativo questionam principalmente três aspectos. Um é a compra do atacante Leandro Damião por R$ 42 milhões, outro é o vínculo com o fundo financeiro Doyen Sports, sediado em paraíso fiscal, e o último é o pagamento de comissão para intermediários de jogadores.

Nesta quinta-feira o ex-presidente Odílio e o seu vice, Luiz Cláudio de Aquino, publicaram na edição impressa do Estado um comunicado em que se colocam à disposição para esclarecimentos. "Com todo respeito aos membros do Conselho Fiscal, discordamos do entendimento a que chegaram e iremos apresentar, de forma objetiva, no momento previsto pelo estatuto, todos os argumentos de fato e de direito que demonstram que os atos praticados durante a nossa gestão foram pautados por obediência ao Estatuto Social do clube", diz o texto.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSantos FC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.