Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Conselho do Corinthians se reúne e deve aprovar previsão orçamentária de 2019

Expectativa é que 250 conselheiros compareçam no encontro desta terça-feira, às 19h, no Parque São Jorge

João Prata, O Estado de S.Paulo

11 de dezembro de 2018 | 04h30

O Conselho Deliberativo do Corinthians se reúne nesta terça-feira, às 19h, no Parque São Jorge, para votar a previsão orçamentária de 2019. Dos 318 conselheiros do clube, a expectativa é que 250 compareçam e que a maioria aprove o relatório prévio elaborado pela atual diretoria. 

O Estado revelou na última semana alguns números desse documento. Nele, havia quatro pontos na introdução para explicar quais foram os "critérios e premissas adotados". Resumidamente, o primeiro ponto admite que o clube colocará o pé no freio mantendo "o nível das despesas e custos em linha com os valores realizados em 2018, com uma leve queda e sem incrementos significativos ainda que considerados os índices de inflação previstos".

O segundo pede que sejam mantidos os investimentos em formação de atletas nos mesmos níveis do triênio 2016/2017/2018. Também coloca como ponto chave a busca por patrocinadores "cujos níveis estiveram abaixo do previsto no biênio 2017/2018". 

Por fim informa que tentará reduzir as despesas financeiras baseando-se nas renegociações de contratos e na implementação de gerenciamento ativo do fluxo de caixa realizadas em 2018.

As receitas com patrocínios são um dos exemplos de frustração que levaram a um comedimento em relação ao que se espera na próxima temporada. O Corinthians tinha a previsão de faturar R$ 87,2 milhões neste ano. Mas o orçamento ajustado, que representa o balancete de janeiro a setembro e mais a projeção dos três últimos meses de 2018, alcança apenas R$ 38,7 milhões. 

Essa diferença para menos de 55,5% fez a diretoria financeira baixar a expectativa para 2019 para R$ 64 milhões com patrocinadores - vale lembrar que desde abril de 2017 o clube não consegue negociar a parte mais nobre da camisa. 

Outro número que explica a tentativa de contenção da atual gestão está nos valores que envolvem a negociação de jogadores. Nem mesmo o faturamento de R$ 110 milhões com a venda de atletas ajudou o clube a fechar o ano no azul. A previsão para dezembro é que o Corinthians feche com déficit de R$ 26,3 milhões.

A estimativa é que a reunião dure por volta de três horas. O principal ponto de questionamento da oposição é a falta de transparência nas contas da Arena Corinthians. Na última semana, o grupo Movimento Corinthians Grande solicitou via redes sociais reivindicaram cinco documentos para explicar as despesas e receitas do novo estádio.

Mais conteúdo sobre:
futebolCorinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.