Jaci Silveira/Cruzeiro
Jaci Silveira/Cruzeiro

Conselho do Cruzeiro aprova proposta de empréstimo de R$ 300 milhões com fundo

Presidente do clube pretende usar valor para quitar dívidas mais urgentes como nas ações movidas na Fifa

Redação, Estadão Conteúdo

12 de fevereiro de 2019 | 11h18

Quase por unanimidade, o Conselho Deliberativo do Cruzeiro aprovou, na noite de segunda-feira, a proposta da diretoria, presidida por Wagner Pires de Sá, de contrair um empréstimo de R$ 300 milhões com um fundo internacional de investimentos, que não teve a sua identidade revelada em função de uma cláusula de confidencialidade.

A reunião extraordinária no salão nobre do Parque Esportivo do Barro Preto reuniu 316 conselheiros, sendo que 314 aprovaram a proposta. A partir de agora, a diretoria do Cruzeiro passará a trabalhar para viabilizar a operação financeira. Atualmente, incluindo débitos com o governo federal, a dívida do Cruzeiro é estimada em R$ 470 milhões.

O argumento da diretoria do Cruzeiro para fechar o acordo de empréstimo é concentrar suas dívidas em apenas uma instituição. Assim, o presidente do clube pretende usar valor para quitar dívidas mais urgentes, especialmente naqueles casos em que as outras equipes ou empresários acionaram a Fifa.

No acordo com o fundo de investimentos, o Cruzeiro terá uma carência de 18 meses após a assinatura do contrato. Os pagamentos serão feitos em sete parcelas semestrais e os juros anuais serão de 8,5%. Isso significa que as parcelas a serem pagas vão superar os R$ 50 milhões.

"Estamos negociando o empréstimo com taxas de juros baixíssimas. Os credores possuem confiança no Cruzeiro e principalmente no peso dessa camisa cinco estrelas. Por esse motivo estamos conseguindo financiamento a condições excepcionalmente benéficas para o clube. Vamos trocar dívidas que possuem taxas altíssimas para uma com valores baixos. Foi uma grande vitória e graças a Deus tivemos a aprovação do conselho", afirmou o presidente do Cruzeiro.

Mais conteúdo sobre:
Cruzeiro Esporte Clubefutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.