Consórcio Maracanã, integrado por empresa de Eike, faz maior oferta por concessão de estádio

Proposta do Maracanã S.A. foi de R$ 181,5 milhões

Tiago Rogero, O Estado de S.Paulo

16 de abril de 2013 | 12h19

RIO -  O consórcio Maracanã S.A., formado por Odebrecht, IMX e AEG, ofereceu valor de outorga 17% maior que o concorrente na licitação para concessão do estádio pelos próximos 35 anos. O valor de outorga mínimo exigido pelo edital era de R$ 4,5 milhões por ano, que serão pagos pelo consórcio vencedor para o governo do Rio. O Maracanã S.A. ofereceu R$ 5,5 milhões, contra R$ 4,7 milhões do concorrente, consórcio Complexo Esportivo e Cultural do Rio, formado por OAS, Stadion Amsterdan N.V. e Lagardère Unlimited.

Pela concessão do estádio do Maracanã por 35 anos, serão pagas 33 parcelas anuais de outorga. Portanto, no total, a proposta do Maracanã S.A., com participação das empresas de Eike Batista, foi de R$ 181,5 milhões diante dos R$ 155,1 milhões da concorrente. Nesta terça-feira, acontece a sessão para abertura das propostas técnica e econômica dos dois consórcios que concorrem pela administração do Estádio Mário Filho.

O presidente da Comissão de Licitação, Luiz Roberto Silveira Leite, lembrou aos presentes à sessão que a concorrência do Maracanã não leva em conta somente a maior oferta de preço (que terá peso de 40% no resultado final), mas também a melhor proposta técnica (peso de 60%). As propostas serão analisadas nos próximos dias pela comissão e por técnicos do governo do Rio de Janeiro. Não há previsão para o anúncio oficial do vencedor.

Antes da abertura das propostas, um grupo de nove manifestantes fez protesto em frente ao Palácio Guanabara contra a concessão do Maracanã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.