Jamil Chade/Estadão
Jamil Chade/Estadão

'Construímos uma nova cidade em cinco anos', diz prefeito de Sochi

Para Anatoly Pakhomov, estratégia de atrair eventos esportivos obrigou o governo de Putin a realizar obras de dimensões inéditas

Entrevista com

Anatoly Pakhomov, prefeito de Sochi

Jamil Chade, enviado especial a Sochi

17 de dezembro de 2017 | 07h00

“Em apenas cinco anos, a Rússia construiu uma nova cidade”. A declaração é do prefeito de Sochi, Anatoly Pakhomov. Em entrevista ao Estado, ele insiste sobre a importância de receber a seleção brasileira como forma de desenvolver o futebol na cidade e defende o legado deixado pelos mega-eventos.

Após gastos em estrutura, autoridades de Sochi querem treino aberto do Brasil

Velho aliado de Vladimir Putin, Pakhomov foi eleito em 2009 e comandou o local durante o período de maior transformação da cidade. Para ele, a estratégia de atrair eventos esportivos obrigou o governo a realizar obras de dimensões inéditas.

Qual é a importância para Sochi receber a seleção brasileira?

Estamos muito satisfeitos que a seleção brasileira e seus muitos torcedores famosos por sua paixão pelo esporte e alegria vão chegar a Sochi em 2018. O Brasil é um país onde todos jogam futebol. Setenta e cinco por centro da população estão interessados no jogo, e a seleção jamais ficou de fora de uma Copa. O futebol une o país e faz as pessoas mais fortes. Mas nós também queremos que nossas crianças e adultos joguem futebol e deixem que o futebol seja parte de seu cotidiano.

Em Sochi, temos tudo para isso. O clima é bom e temos infraestrutura, que melhora com o tempo. Ao longo de seus 146 quilômetros à beira do Mar Negro, temos dezenas de campos de futebol onde jogadores russos estão treinando e diferentes campeonatos. Nas aldeias das montanhas, montamos instalações esportivas com locais para futebol.

O legado da Copa do Mundo será enorme. Os campos de treinamento construídos em 2018 serão dados para a cidade e o estádio Fisht será um marco para o futebol. Esperamos que os melhores times russos venham aqui para jogar, assim como times estrangeiros. Tudo isso nos dá esperança de que o futebol em Sochi passe a ser popular. 

Sochi passou a sediar diversos eventos esportivos. Por que é tão importante ser um hib esportivo?

Depois dos Jogos Olímpicos de Inverno e da construção de nova infraestrutura, Sochi se transformou na nova capital do esporte na Rússia. Em 2014, organizamos 40 eventos nacionais e internacionais. Em 2017, foram 280. Metade deles foi do setor de esportes. Isso tudo foi graças à nova infraestrutura e à iniciativa do governo. O conceito de como usaríamos as instalações foi desenvolvido antes mesmo dos Jogos.

Portanto, agora apenas estamos mantendo isso. As instalações do parque olímpico recebem atletas 24 horas por dia, sete dias por semana. As instalações na montanha se transformaram em um resort ecológico onde diferentes esportes são praticados, dependendo da estação. É importante manter isso e multiplicar. Afinal de contas, torcedores que vem para Sochi são nossos potenciais turistas no futuro.

Ao todo, US$ 51 bilhões (R$ 179 bilhões) foram gastos. Valeu a pena? Alguns apontam para a corrupção. Na avaliação do senhor, foi um evento limpo?

Durante a preparação para a Olimpíada, a prefeitura enfrentou dois desafios: não parar a operação de instalações essenciais e melhorar as zonas urbanas. Doze mil instalações públicas e privadas foram mantidas, 1,4 mil instalações de infraestrutura urbana foram mantidas para atender às exigências. Conseguimos criar um ambiente favorável para receber visitantes e recebemos boas respostas de membros do COI, atletas e turistas.

Quanto ao lado financeiro, sim, muito dinheiro foi gasto. Mas cerca de 300 novas instalações foram construídas em Sochi. O resort ganhou mais de 360 quilômetros de estradas e pontes, além de 22 túneis e 54 pontes ferroviárias e 200 quilômetros de linhas de trem. Quase 500 quilômetros de gasodutos foram colocados em Sochi. Quatro centrais elétricas e uma estação de energia, além de 550 quilômetros de linhas elétricas foram instaladas. Novos centros de tratamento de esgoto foram feitos. Mais de 40 novos hotéis foram feitos, com 24 mil quartos foram construídos. Mais de mil prédios passaram por obras e mais de 60 instituições de educação, saúde, cultura e esportes foram feitos ou reformados.

Agora, temos dois portos, várias estações de trem e um novo terminal de aeroporto. O legado para nossos cidadãos foi enorme. Agora, em sua opinião, vale à pena ou não? Eu poderia continuar a listar as instalações que surgiram em Sochi. Mas vou dizer apenas uma coisa: em apenas cinco anos, a Rússia construiu uma nova cidade e esse processo envolveu um enorme volume de recursos financeiros e humanos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.