Contador não quer depor na CPI

O contador Vanderlei Guilherme Doring encaminhou contestação à CPI do Futebol sobre o seu depoimento marcado para esta terça-feira, quando ele deverá prestar informações sobre o contrato do Vasco com o Bank of America, que teve como resultado a surgimento da Vasco Licenciamentos S/A - Vascolic (possui os direitos para comercializar a marca do Vasco da Gama). No documento que chegou à comissão, por fax, o contador alega que foi convocado apenas nesta segunda-feira, "para prestar esclarecimentos contábeis do Club de Regatas Vasco da Gama", porém, ele afirma que há mais de 20 anos deixou de responder pela escrituração contábil do clube de São Januário.Vanderlei Doring afirma que "a partir de 1982, cancelou o seu registro no Conselho Regional de Contabilidade, por motivos particulares e de saúde", mas que "voltou a prestar serviços na última década, a pedido da diretoria para prestar assessoria contábil e de informática, não sendo", com isso, "responsável pela escrituração contábil" do Vasco da Gama.Com base na negativa de Vanderlei Doring em recusar a convocação por telefone, a CPI enviou um agente da Polícia Federal à sua residência no bairro de Ramos, zona Norte da cidade do Rio de Janeiro.Apesar de Vanderlei Guilherme Doring ter alegado que não é mais o contador o Vasco, a CPI tem indícios de que a assessoria que ele presta ao clube é suficiente para responder às dúvidas da comissão do Senado.O advogado de Vanderlei Guilherme Doring é Silvio A. H. Godoi, que também presta serviços para o funcionário Aremithas José de Lima, convocado para esclarecer depósitos da Vascolic S/A em sua conta bancária, no valor de R$ 2,03 milhões. O depoimento de Lima ainda não tem data confirmada para ocorrer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.