Arquivo/AE
Arquivo/AE

Contra Mogi, Santos terá Neymar como titular pela primeira vez

Jogo válido pelo Campeonato Paulista acontece às 19h10 no Pacaembu e expectativa é de casa cheia novamente

Sanches Filho - Especial para O Estado de S.Paulo,

14 de março de 2009 | 21h23

SANTOS - Neymar, o garoto de R$ 90 milhões, é a principal atração do Santos contra o Mogi Mirim, neste domingo, às 19h10, no Pacaembu. Será a primeira vez que a maior esperança santista inicia um jogo pelo time principal, formando a dupla de atacantes com Roni. A partida terá cobertura online do estadao.com.br.

Veja também:

tabela Campeonato Paulista - Tabela e resultados

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

A saída de Domingos para a entrada de Neymar não será a única mudança que Vágner Mancini fará no time. O treinador vai aproveitar a ausência de cinco titulares - Roberto Brum, Rodrigo Souto, Madson, Léo e Kléber Pereira - para fazer experiências e trocar até o esquema 3-6-1 pelo 4-4-2.

"Vamos jogar em São Paulo, mas é como se estivéssemos na Vila Belmiro porque o mando é nosso. Por isso, além de fazer experiências, vamos armar um time mais ofensivo", adiantou o treinador.

Na equipe que Mancini armou no treino tático deste sábado, Luizinho e Triguinho foram os laterais, Germano e Pará os volantes e Paulo Henrique e Lúcio Flávio os meias. Ele explicou que não está poupando Molina (tem dois cartões amarelos) para o clássico contra o Corinthians, no próximo domingo, no Pacaembu. "A sua saída é opção técnica. Mudo para tentar mexer com o time. Não pouparia um titular numa partida como essa contra o Mogi. Para nós é uma decisão", explicou.

Com as alterações forçadas e mais a saída de Molina, Mancini quer evitar que se repita o que aconteceu no primeiro tempo contra Bragantino, Oeste e Paulista, com o time sendo dominado e só reagindo na etapa final, depois de levar bronca no vestiário. "Acho que vou precisar de dois intervalos. Um antes e outro depois do primeiro tempo", brincou.

Com o empate em casa contra o Paulista, na última quinta-feira, fracassou o projeto do treinador de somar nove pontos nos três jogos anteriores ao clássico contra o Corinthians e a classificação às semifinais do Campeonato Paulista já não é tão certa como parecia.

Santos
Fábio Costa; Luizinho, Fabão, Fabiano Eller e Triguinho; Germano, Pará, Paulo Henrique e Lúcio Flávio; Neymar e Roni
Técnico: Vágner Mancini
Mogi Mirim
Marcelo Cruz; Jackson, William Alves, Thiago Couto e Alexandre Silva; Ânderson, Luiz Henrique, Joelson e Giovanni; Marcelo Régis e João Sales
Técnico: Paulo Campos.
Árbitro: Márcio Roberto Soares

Estádio: Pacaembu, em São Paulo (SP)

Horário: 19h10

TV: SporTV

Com a entrada de Lúcio Flávio no meio e a escalação de dois atacantes - o time vinha jogando apenas com Roni adiantado - ele quer que o time tenha mais força ofensiva e crie maior número de oportunidades de gols.

O polivalente Pará acha que não vai ter dificuldade como segundo volante. "Prefiro jogar de lateral-esquerdo, mas pelo meio também me sinto bem porque sei marcar e gosto de chegar ao ataque para finalizar", disse. Mesmo tendo feito o cruzamento para o gol de Roni, no empate contra o Paulista, ele não convenceu Mancini como ala.

"Não fui bem no primeiro tempo porque a equipe toda entrou sonolenta em campo. Mas, de agora em diante vamos partir para o tudo ou nada porque queremos terminar a fase entre os quatro primeiros", prometeu o jogador.

Pará sugere que o time tenha atenção especial com ex-santista Giovanni. "É preciso marcá-lo em cima porque é um jogador talentoso, acima da média e que pode desequilibrar qualquer jogo". Sobre Neymar, ele segue o discurso da maioria dos companheiros. "Todos sabem que Neymar é um garoto de grande futuro. Acho que ele tem lugar em qualquer time. Se vai ou não jogar depende do técnico. Mas, de uma coisa tenho certeza: Neymar vai dar muitas alegrias aos santistas", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.