Daniel Augusto Jr/ Divulgação
Daniel Augusto Jr/ Divulgação

Contra o líder, Corinthians vai testar a força do elenco

Tite pode ficar sem Love e confia nos reservas

Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

16 de julho de 2015 | 07h00

Tite vem dizendo com insistência que para brigar pelo título é preciso ter um elenco forte e não apenas 11 titulares. O jogo contra o Atlético-MG, sábado, será a oportunidade de o Corinthians mostrar a força do seu elenco. O time não contará com duas peças-chave (o goleiro Cássio está com tendinite no músculo adutor da coxa esquerda e o meia Jadson, suspenso). Além disso, Vagner Love passou a ser dúvida. Na quarta-feira, pelo segundo dia seguido o atacante não foi a campo e ficou na academia do CT do Parque Ecológico fazendo trabalho de fortalecimento muscular.

No gol, entra Walter. No meio-campo, Rildo treinou entre os titulares no lugar de Jadson e é o mais cotado para ficar com a vaga. Caso Love não tenha condições de jogo, Danilo deverá ser improvisado como centroavante.

Após Tite repetir em quatro partidas seguidas a escalação da equipe, os reservas que entrarão em campo no sábado têm o desafio de manter o padrão de jogo apresentado pela equipe nas últimas rodadas (três vitórias e um empate).

“Tem de chegar e dar conta do recado. Temos tranquilidade pelo trabalho do dia a dia, no decorrer da semana, pelos treinos e até por outras frias que peguei. Isso me deu experiência para entrar e dar conta do recado”, disse Walter.

O Corinthians tem a defesa menos vazada do Brasileiro, com apenas oito gols sofridos em 13 rodadas. Para o goleiro, o grande trunfo da equipe é não cair de produção, mesmo com mudanças no time. “Estamos fazendo um belo trabalho, marcando muito bem. O Bruno Henrique entrou no lugar do Ralf e está dando conta, o Elias voltou da seleção numa fase imensa, os laterais estão marcando muito bem...”

Sábado, o Corinthians deve repetir a estratégia da vitória por 3 a 0 sobre o Flamengo, quando apostou na marcação forte e nos contra-ataques. “A gente sabe que não tomando gols e fazendo 1 a 0 vamos somar os três pontos. Contra o Flamengo foi assim, eles atacaram e a gente fez 2 a 0 no primeiro tempo. Tem de ser cirúrgico. Marcar forte e, quando atacar, fazer os gols”, disse Walter.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.