Contrariado, Mauro poupa colega Henao

Discreta, dentro do possível, a revolta de Mauro se manifesta com o rodízio imposto no gol do Santos. O jogador que vive a melhor fase da sua carreira teve de assistir, contrariado, do banco de reservas as falhas de Henao na derrota para o Bolívar. "Eu vi que o Henao fez o máximo para defender o Santos. Não cabe a mim ficar julgando as suas atuações. Pelo contrário: sempre estarei apoiando os meus companheiros. Não estou aqui para torcer contra ou criticar alguém."Mauro soube que será o titular contra o Ituano. Depois da melhor atuação na sua vida contra o Corinthians ele teve de amargar a reserva em nome da experiência e espanhol fluente de Henao, que foi até o capitão da equipe. "É bom saber que voltarei para o gol do Santos. É para isso que eu treino. É o meu trabalho."Depois de várias perguntas sobre a atuação de Henao, Mauro acabou cumprindo o seu dever de companheiro: "A altitude sempre atrapalha. Estava chovendo. Tudo atrapalhou. Não se pode culpar o Henao pelos gols. Ele fez o que pôde." Mas toda a sua diplomacia se esvaiu quando Mauro foi perguntado se ele acredita que o rodízio deve continuar. "Ah, isso eu não sei. Tem de perguntar para o nosso técnico, só ele pode responder", afirmou, raivoso, empurrando os repórteres e encerrando sua entrevista.

Agencia Estado,

17 de fevereiro de 2005 | 19h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.