Contratação de Fred não passa de sonho para o São Paulo

Diretoria são-paulina tenta, mas Olympique de Lyon se recusa a emprestar o jogador

Alfredo Luiz Filho, Jornal da Tarde

31 de janeiro de 2008 | 20h33

O São Paulo terá de adiar pelo menos até o meio do ano o sonho de contratar o atacante Fred. Não bastasse não ter condições de arcar integralmente com o salário do jogador, o clube se deparou com um problema ainda maior: a recusa do Olympique de Lyon em liberar Fred por empréstimo, algo que até então parecia já estar acertado entre as duas partes - faltaria somente Fred topar a redução de seu salário. "Não existe nenhuma possibilidade. Ele ainda tem um ano e meio de contrato e não aceitou sair para nenhum clube da Europa. E o presidente (Jean-Michel Aulas) também não quis emprestá-lo para nenhum clube brasileiro. Até o meio do ano, quando acaba a temporada, não existe chance", assegurou o empresário Marcelo Djian, representante do Lyon no Brasil.Mesmo tendo entrado em atrito com os franceses no fim do ano por ter manifestado o desejo de deixar o clube, já que perdeu espaço e tem o objetivo retornar a Seleção, Fred não sairá antes do meio do ano porque faltam atacantes no elenco depois que o Lyon emprestou o checo Milan Baros ao Portsmouth, da Inglaterra. "Agora é que o Fred não sai mesmo", ratificou Djian. "No meio do ano também acho meio difícil, mas tudo é possível."O São Paulo só voltará a investir em Fred no fim da temporada européia se conquistar o tão sonhado título da Libertadores - assim, o atacante viria para ocupar a vaga de Adriano, que fará o caminho contrário e retornará à Inter de Milão em julho.ELENCO ENXUTOJá que Fred não vem, a diretoria busca outras alternativas para repor as recentes baixas do elenco. Em uma tacada só, o São Paulo perdeu Breno, Leandro, Diego Tardelli e, por último, Souza. Entretanto, os cofres do clube receberam mais de R$ 37 milhões. Mas, apesar do montante, que o torcedor não se iluda pensando que toda essa verba será usada. A maior dificuldade é a falta de opções no mercado."Existe a necessidade de contratar mais jogadores. Acho que trazer mais um ou dois para a Libertadores até resolve a questão. Mas há uma colocação que o Juvenal (Juvêncio) sempre faz que é importante dizer: ‘Está bem, concordo, precisa contratar. Mas quem?’. Não compensa comprar qualquer um e pagar preço de jogador de ponta", diz o superintendente de futebol, Marco Aurélio Cunha.As respostas para as dúvidas da diretoria são-paulina devem começar a surgir nos próximos dias. Afinal, o São Paulo tem até o dia 25 para entregar à Conmebol a lista com o nome dos 25 inscritos para a primeira fase da Libertadores - a estréia será dia 27, contra o Nacional, na Colômbia. E o técnico Muricy Ramalho conta com apenas 19 atletas disponíveis."Não fico chorando pelos cantos. Se tiver que chorar para alguém vou direto ao Juvenal Juvêncio, que é o presidente. Estou trabalhando no limite e já tenho dificuldades até para montar o banco de reservas", afirma Muricy.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.