Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Albert Gea/Reuters
Albert Gea/Reuters

Contrato de Messi com o Manchester City teria valor total de R$4,8 bilhões, diz jornal

Segundo o diário catalão Sport, o craque jogaria no time inglês por três anos e no New York City FC por mais dois

Redação, Estadão Conteúdo

30 de agosto de 2020 | 22h38

Lionel Messi já teria um acordo para as bases contratuais com o Manchester City assim que conseguisse deixar o Barcelona, segundo o jornal catalão Sport. No total, o acordo seria válido por cinco temporadas, até 30 de junho de 2025. Mas Messi não passaria todo este tempo na agremiação inglesa.

Inicialmente, a ideia seria de que Messi jogasse por três anos no Manchester City e, na sequência, iria para o New York City FC, do mesmo grupo que controla o time inglês, para jogar na MLS por dois anos.

Os valores do acordo seriam gigantescos: 100 milhões de euros (642 milhões) por cada ano de contrato, entre salário e impostos. Os outros 250 milhões (1,6 bilhão) seriam pagos para ele se chegasse de graça à Inglaterra. No entanto, como violaria as regras do fair play financeiro da Uefa, esse pagamento seria realizado quando Messi fosse para o New York City.

No entanto, apesar de Messi ter deixado claro sua vontade de sair do Barcelona através de um documento entregue ao clube, ainda há muitos capítulos para ocorrerem nessa novela. Para o clube e para a LaLiga, entidade que organiza o Campeonato Espanhol, o jogador poderia sair apenas mediante o pagamento da multa rescisória de 700 milhões de euros (R$ 4,5 bilhões).

Já Messi e seu estafe acreditam que, como o contrato com o Barcelona estava no último ano, a cláusula não seria válida, e não seria necessário pagar o dinheiro da multa. Neste domingo, Messi deveria ter se apresentado para realizar os testes para o coronavírus antes do time espanhol retornar aos treinos para a nova temporada, mas não apareceu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.