Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Contrato de naming rights da Arena é aprovado e Corinthians já pode receber pagamento

Validação dos documentos foi unânime pelo 'Arena Fundo' nesta segunda-feira

Raul Vitor, O Estado de S.Paulo

17 de novembro de 2020 | 12h54

Após dois meses do batismo da Neo Química Arena, os cotistas do "Arena Fundo" aprovaram "por unanimidade e sem quaisquer ressalvas" o contrato de naming rigths do estádio do Corinthians, em Itaquera. A aprovação abre caminho para que a Hypera Pharma inicie o pagamento dos valores firmados na negociação, que chegou a R$ 300 milhões em 20 anos.

A votação foi realizada na manhã da segunda-feira, na sede da BRL Trust, administradora do "Arena Fundo", após assembleia geral extraordinária reunir todos os cotistas. A aprovação dos documentos já havia sido discutida na última quinta-feira e restava apenas a formalização da aceitação dos integrantes do fundo imobiliário.

Com a validação do contrato, o Corinthians já pode receber os valores negociados. A venda dos naming rights da arena foi fechada em R$ 300 milhões. Esse montante será pago pelos próximos 20 anos. Ou seja, a equipe alvinegra deve receber cerca de R$ 15 milhões anualmente da Hypera Pharma, pouco mais de R$ 1 milhão por mês. A ideia nicial do clube era vender o nome do seu estádio por R$ 400 milhões.

Metade de valor aceito, correspondente à próxima temporada, deve ser direcionado ao pagamento de dívidas oriundos da construção do próprio estádio em São Paulo. A Caixa Economica Federal ainda cobra R$ 536 milhões do Corinthians. Por enquanto, esse valor está suspenso e aguarda um acordo extra judicial.

O clube atravessa densa crise financeira e já acumula o maior déficit de sua história. Segundo o balanço de 2019, os débitos do Corinthians giram em torno de R$ 195,4 milhões. O Conselho Deliberativo do Clube, contudo, ainda não aprovou esses números. A apreciação do demonstrativo será feita na semana seguinte à eleição presidencial, marcada para o dia 28 de novembro. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.