César Greco/Divulgação
César Greco/Divulgação

Contrato de patrocínio do Palmeiras é acima da média do mercado

Valor de R$ 23 milhões assinado entre o clube e a Crefisa é exceção dentro de um ramo que tem apresentado retração nos últimos anos

Almir Leite, O Estado de S. Paulo

23 de janeiro de 2015 | 08h57

Os contratos de R$ 23 milhões por ano obtidos pelo Palmeiras e pelo Atlético-MG devem ser exceções no futebol brasileiro. A tendência é que, nos próximos contratos a serem fechados, os valores sejam menores. Essa é a expectativa do mercado, tanto para acordos com novos patrocinadores quanto para renovação com os atuais.

A retração nada tem a ver com o momento turbulento da economia, na opinião do consultor da BDO Pedro Daniel. "O mercado só será valorizado a partir do momento em que as boas práticas (administrativas) forem adotadas pelos clubes."

Outro fator que pode interferir no mercado é a posição da Caixa Econômica Federal em relação ao patrocínio aos clubes. No fim do mês, terminará o contrato do banco com o Corinthians (R$ 30 milhões) e a negociação para renová-lo vai revelar se haverá mudança na política de patrocínio. "O contrato com o Corinthians vai mostrar qual a estratégia da Caixa para o setor neste novo governo", diz Daniel.


O Cruzeiro negocia contrato de patrocínio com a Caixa há 40 dias, mas não teve sucesso até agora.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolpatrocíniosfinançasPalmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.