Contursi abre o jogo e critica a situação do Palmeiras

Mustafá Contursi se cansou de apanhar em silêncio. Resolveu contra-atacar e botar a boca no trombone. Nesta entrevista, o ex-presidente do Palmeiras afirma ter sido vítima de conspiração, se diz alvo de racismo por sua origem síria, desdenha os planos do grupo de Seraphim del Grande e acusa Affonso Della Monica de ter aliciado 108 conselheiros com ?carteirinhas de diretor? em troca de votos na eleição. Portal Estadão - Qual sua análise da reeleição de Della Monica? Mustafá Contursi - Foram dois anos de administração desastrosa. E agora somam-se novos nomes que em nada ajudam. Fizeram investimentos medíocres. Encolhemos financeiramente e falta qualificação ao time. Hoje tem atraso de pagamento, tributos, e ainda dizem que isso é normal no futebol brasileiro. Mas nunca no Palmeiras! Não somos mais os melhores.O Della Monica foi vice-presidente durante a sua gestão, assim como o José Cyrillo Júnior, seu maior crítico. O que houve de errado? Eles conspiraram contra mim. Faziam chacota da política do bom e barato. Foi conspiração. Agora falam ?somos ricos, vamos investir?. Mas já gastaram todo o dinheiro do clube e só fizeram porcaria! Foram os dois piores anos que já tivemos no clube. Mais vergonhoso é ver um vice (Cyrillo) rejeitado pelo Conselho se agarrar à carteirinha de diretor-administrativo. O Cyrillo tem mais é que ir pra casa!Mas esses vices que o senhor acusa de conspiração foram aliados por 12 anos. Confiava neles? Sim, sempre confiei. Não foi conspiração naquela época. Mas na transição da Parmalat eles começaram a falar de forma pejorativa sobre o ?bom e barato?. Todos que caíram à Série B voltaram com glória, entusiasmo. Grêmio, Atlético-MG, Botafogo... Só o Palmeiras é criticado eternamente.O senhor nem era candidato, mas foi considerado o maior derrotado na última eleição. O que acha disso? Se a votação foi para me atingir, quem sai perdendo é o Palmeiras. Meus candidatos eram melhores.Alguns conselheiros falaram em ?vitória do bem contra o mal?... O complexo de inferioridade leva a esse tipo de reação. É a fixação de vingança por tentar vencer alguém muito superior. E se o ?mal? significou ter sempre equilíbrio no clube, situação financeira exuberante, crescimento patrimonial, eu não me incomodo de ser o ?mal?.Mas se alcançou todas essas coisas que afirma, por que há essa reunião de tanta gente contra o senhor? Porque eu sou muito grande para a mediocridade deles. Grande parte pedia para que eu continuasse, para ficarem ao meu reboque. Eles viviam ao meu reboque! Deixei o clube rico, moderno e organizado.A chapa que o senhor apoiava, com Roberto Frizzo para presidente, contava com outros grandes caciques políticos, como o Carlos Facchina e o Marco Polo Del Nero. O resultado da eleição significaria, então, um anseio por renovação? Não, isso é um atraso, porque trouxe de volta gente que estava fora há 12 anos. Falar em Seraphim, Cipullo, Beluzzo... é retrocesso! Eles estavam há 10 anos esperando cair do céu uma carteirinha de diretor. Garanto que eles não têm nenhum plano moderno. É tudo retrógrado.O senhor teve acesso aos projetos deles para garantir isso? Ué, falaram num projeto de investidores para depois da eleição, e ainda não apareceu nada. Diziam que ia ter R$ 50 milhões, é o que a gente ouve no clube. Cadê o dinheiro? O senhor acha que está perdendo força no clube? Não. Meu grupo tem 132 companheiros que, unidos, disseram não contra 108 que haviam recebido carteirinha de diretor antes da votação. Eles se juntaram a um outro grupinho aí para ganhar a eleição. Carteirinha? É! Há 108 pessoas em cargos diretivos. Isso é uma ofensa ao clube! Mas os 132 que apóiam o senhor já foram mais de 200... Veja só: os meus antigos companheiros, inclusive meus ex-vices, com todo esse complexo de inferioridade, se uniram àqueles que antes os hostilizavam. E tudo o que eles conseguiram, juntos, foi dividir o clube no meio. Como posso achar que estou perdendo força?Vai tentar a reeleição à presidência do Conselho em março? Não. Serei só membro do COF. Isso tem a ver com a derrota nas últimas eleições? Teme nova derrota? Não. Eu tenho certeza que teria totais condições de ganhar.E de que forma, então, o senhor pretende fazer valer suas idéias? Como membro do Conselho e do COF. Quero implantar o que julgo ser a modernidade para o futebol, o ?Conselho Gestor?. O futebol seria gerenciado à parte do clube, com o Conselho fiscalizando de perto. Então o senhor não vai se afastar? Não, nunca. Em breve, será feita justiça. Não se engana tanta gente por tanto tempo. Nunca dei tanto autógrafo. As pessoas estão percebendo como tudo era melhor antes.Mas o senhor ainda não voltou a assistir aos jogos no Palestra, não? Tem gente que me hostiliza, em parte por racismo, por causa da origem (síria) do meu pai. Mas podem ter certeza que eu voltarei. A justiça será feita, a ordem será restabelecida.Como presidente? Não, não. Eu nem devia ter ficado 12 anos na presidência. Fiquei porque pediram para eu ficar. E quem pediu foi exatamente essas pessoas que hoje me atacam.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.