Contusão de França já preocupa Bayer

São remotas as chances de França voltar a vestir a camisa do São Paulo. O técnico Oswaldo de Oliveira perdeu as esperanças de contar com o jogador em pelo menos um dos jogos das finais do Supercampeonato Paulista - o primeiro é contra o Ituano, domingo, às 16h, em Itu. O jogador, vendido ao Bayer Leverkusen por US$ 8,5 milhões, está em tratamento de uma contusão no músculo adutor da coxa direita, sofrida no primeiro jogo das semifinais da Copa do Brasil, contra o Corinthians, há um mês. A recuperação do atacante está sendo lenta demais e já preocupa os dirigentes do clube alemão.A preocupação é tanta que o médico do Bayer, Thomas Phefir, está em São Paulo para avaliar se o tratamento a que o jogador está sendo submetido é o mais adeqüado. França foi avaliado por Phefir nesta sexta-feira, no Hotel Renaissance, na região dos Jardins. Após a avaliação, o médico do Bayer foi até o CT da Barra Funda conversar com José Sanchez, médico do São Paulo, e pediu que fosse feita mais uma ultrassonografia do local atingido. A lesão está cicatrizada, mas restou uma fibrose, que impede que o jogador faça movimentos bruscos."O França reclama de dores no local sempre que chuta a bola. Quero deixar bem claro que não sou eu que estou impedindo que ele volte aos gramados. O França tem contrato com o São Paulo até 30 de junho. A vontade dele é voltar a jogar e marcar gols. O sonho do França é marcar três gols, superar o ex-jogador Teixeirinha e transformar-se no terceiro maior artilheiro da história do clube", afirma Wagner Ribeiro, procurador do jogador.França tem evitado corridas e treinos com bola. O trabalho de recuperação resume-se a exercícios em esteiras e bicicletas ergométricas. A vinda de Thomas Phefir ao Brasil tem outro objetivo: evitar que o jogador seja escalado fora de suas condições clínicas, o que poderia comprometer sua apresentação ao clube alemão em 1º de julho. O Bayer prepara uma festa para a chegada de França e do zagueiro Juan, que comprou do Flamengo.Assim, a despedida do atacante com a camisa do São Paulo pode ter sido mesmo no jogo com o Corinthians, quando perdeu um pênalti - defendido por Dida - na derrota são-paulina por 2 a 0.Ataque - Sem França, Oswaldo de Oliveira confirma para domingo o ataque com Sandro Hiroshi e Reinaldo. Dill, que vinha ocupando a vaga de França, submeteu-se ontem a uma cirurgia. O jogador sofreu fratura na tíbia esquerda, com lesão no ligamento do tornozelo. Segundo José Sanchez, Dill ficará dez semanas inativo. O zagueiro Émerson saiu do treino desta sexta-feira reclamando de cansaço muscular e pode ficar de fora da partida. Se vetado, seu substituto será Reginaldo.Jogadores e comissão técnica têm uma certeza: se o time vencer o Supercampeonato, o feito será comemorado como se tivesse conquistado o Campeonato Paulista. "Seremos campeões paulistas. Inventaram o campeonato e vou comemorá-lo como se deve. Vou me considerar campeão paulista. Quanto ao Ituano, não sei. O problema é deles", avisa o zagueiro Jean. Reinaldo pensa igual: "Serei campeão paulista, sim, com direito a pôster. Quando parar de jogar futebol, contarei a meus filhos que fui campeão paulista de 2002."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.