Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Convocado pela 1ª vez, Arthur avisa: 'Se surgir uma brecha, espero estar'

Jogador do Grêmio foi uma das novidades na lista de Tite para encarar Bolívia e Chile

Marcio Dolzan, Estadão Conteúdo

02 Outubro 2017 | 20h06

Principal novidade da lista de convocados de Tite, o meia gremista Arthur demonstrou personalidade em sua primeira entrevista coletiva como jogador da seleção brasileira. Nesta segunda-feira, após o treina Granja Comary, em Teresópolis, Arthur reconheceu a dificuldade de estar na Copa da Rússia do ano que vem, mas mandou um recado: "se surgir uma brecha, eu espero estar".

+ Jorge diz realizar sonho, mas reconhece que vaga na Copa é difícil

O jogador de 21 anos vai brigar por uma vaga no meio-campo, setor bastante consolidado no time de Tite - Casemiro, Renato Augusto e Paulinho são invariavelmente titulares, enquanto Willian e Philippe Coutinho têm se revezado em uma das vagas mais à frente.

Mesmo assim, Arthur se coloca à disposição para Rússia. "Disputar uma Copa é o sonho de todo garoto. Já realizei o primeiro sonho que é estar aqui. Na Copa não está nada decidido", afirmou. "A gente sabe que tem jogadores de alto nível, mas se surgir uma brecha eu espero estar."

O meia também se mostrou à vontade por ter sido convocado justamente para a partida em La Paz, que costuma assustar por sua altitude de 3.600 metros. "Já joguei na altitude. A bola anda mais rápido, tem que prestar mais atenção", comentou. "Meu pai me perguntou sobre isso, e eu falei: 'jogo até debaixo d'água'. Não acho que teremos muita dificuldade, temos jogadores experientes."

Para Arthur, o mais importante é aproveitar a oportunidade de estar na seleção a nove meses do Mundial da Rússia. "Tudo vem no tempo de Deus. Se fui convocado agora, perto da Copa, era para ser agora. Já dá para sentir o cheiro da Copa, faltam poucos meses", comentou. "Se o Tite me convocou é porque acredita em mim e estou em seus planos. Tenho que aproveitar da melhor maneira possível e aprender bastante."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.