Copa América: Colômbia não abre mão

O vice-presidente da Federação Colombiana de Futebol, Hernán Mejía Campuzano, solto na quinta-feira pelo grupo guerrilheiro que o havia sequestrado, defendeu hoje o direito concedido há 16 anos a seu país de promover a edição deste ano da Copa América. E mais: disse que outro país não pode organizar a competição em apenas 11 dias. Mejía Campuzano falou com a imprensa logo depois de desembarcar esta manhã no aeroporto argentino de Ezeiza, para participar da reunião extraordinária da Confederação Sul-Americana de Futebol, que irá definir o destino da competição sul-americana. A CSF decidiu ontem que a Colômbia não organizará mais a Copa América, por problemas de segurança no país, mas poderá voltar atrás em sua decisão no encontro que terá daqui a pouco com os dez presidentes das confederações sul-americanas de futebol, em Buenos Aires. O Brasil é forte candidato a promover o torneio no período de 11 a 27 de julho.

Agencia Estado,

30 de junho de 2001 | 11h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.