Mariana Greif/ Reuters
Mariana Greif/ Reuters

Copa América sem torcida: um cenário atípico para o torneio, mas sem grande impacto esportivo

Especialistas apontam que torcedores não são capazes de influenciar o nível técnico das partidas

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2021 | 15h00

Se na Eurocopa algumas partidas têm recebido mais de 65 mil torcedores, a ausência do público subtraiu o colorido da Copa América realizada no Brasil em meio ao descontrole da pandemia do novo coronavírus no País com mais de 500 mil mortos. Especialistas apontam, no entanto, que os torcedores não são capazes de influenciar o nível técnico das partidas.

“O jogador de elite tem de conseguir se isolar de tudo, desde as questões acústicas e visuais, como se tem gente ou não no estádio, para focar na sua missão em campo”, diz Marcelo Roffé, presidente da Sociedade Latino-Americana e Caribenha de Psicologia da Atividade Física e do Esporte.

Por mais que a presença do público afete as emoções de quem joga, é preciso diferenciá-la do desempenho esportivo. “O jogador tem que estar adaptado para tudo, ainda mais os fora de série”, diz o autor de quase 20 livros sobre psicologia do futebol.

Natalia Dancuart, psicóloga esportiva paraguaia, avalia que o público “influencia o nível de ativação dos jogadores”, relacionado à concentração, gestão da pressão e tomada de decisão. Mas, profissionalismo e experiência ajudam a gerenciar melhor o desempenho. Sobretudo os atletas, cuja “liderança na equipe é decisiva em situações adversas”.

Para Roffé, o ambiente silencioso também pode até ser positivo em alguns casos. “Não existe o murmúrio quando um jogador comete um erro e, em vez disso, os gritos dos protagonistas são mais ouvidos”, diz.

Mesmo sem a presença de torcedores, um total de 140 casos da covid-19 já foi registrado desde o início da Copa América, de acordo com boletim divulgado pela Conmebol na segunda-feira. Jogadores do Chile, por exemplo, romperam a bolha sanitária ao levar um cabeleireiro à concentração do time em Cuiabá. A federação chilena foi multada em US$ 15 mil (cerca de R$ 76 mil).

A seleção brasileira também recebeu a visita de um cabeleireiro na Granja Comary, em Teresópolis, na semana passada, mas a CBF não confirma oficialmente. A entidade informou que não vai se pronunciar. / COM AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.