AP//Manu Fernandez
AP//Manu Fernandez

Copa da Rússia terá semifinais com menos títulos conquistados desde 1966

Somente as seleções inglesa e francesa já experimentaram o sabor de serem campeãs mundiais, e apenas uma vez cada

Gabriel Melloni, Estadão Conteúdo

08 Julho 2018 | 08h50

França, Bélgica, Inglaterra e Croácia. As quatro equipes europeias venceram seus compromissos nas quartas de final da Copa do Mundo da Rússia e ficaram a dois triunfos do sonhado título do torneio. Destas, aliás, somente as seleções inglesa e francesa já experimentaram o sabor de serem campeãs mundiais, e apenas uma vez cada.

+ Giroud minimiza jejum de gols pela França: 'Se eu for campeão, está ótimo'

+ À espera de semifinal, Inglaterra troca treino com bola por sessão de yoga

+ Técnico na Copa, Hierro recusa voltar a ser diretor e deixa a seleção espanhola

A Inglaterra levantou seu único troféu do torneio em 1966, em casa, mesmo cenário da única conquista francesa em 1998, também diante de sua torcida. Bélgica e Croácia tentam ser campeãs do mundo pela primeira vez. Trata-se, então, das semifinais de Copa com menos títulos entre as quatro seleções sobreviventes em 52 anos.

A última vez que o Mundial chegou à semifinal com dois ou menos títulos conquistados entre as quatro seleções foi justamente em 1966. Na ocasião, a Alemanha Ocidental tinha levantado o troféu uma vez, em 1954, e era a única campeã naquela fase, enquanto Inglaterra, União Soviética e Portugal sonhavam com a primeira conquista. Os ingleses passaram pelos portugueses e, na decisão, derrotaram os alemães, que haviam batido os soviéticos.

 

Aquela, porém, era apenas a oitava edição de Copa do Mundo, e o torneio tinha Brasil, Uruguai e Itália como maiores vencedores, com dois títulos cada. De lá para cá, foram disputados mais 12 Mundiais, o que torna ainda mais impressionante o baixo número de títulos entre os semifinalistas na Rússia.

De 1966 até hoje, as semifinais da Copa sempre tiveram mais conquistas distribuídas entre as seleções. Já em 1970, no México, os bicampeões Brasil, Uruguai e Itália estavam na disputa, assim como a campeã Alemanha. Em 1974, na Alemanha, e 1978, na Argentina, não houve semifinal, mas sim uma segunda fase de grupos antes da decisão.

Nos Mundiais seguintes, Itália, Argentina e Alemanha dominaram o cenário. Em 1982, na Espanha, italianos, poloneses, alemães e franceses foram os semifinalistas. Quatro anos mais tarde, no México, este estágio da competição teve argentinos, belgas, alemães e franceses. E já em 1990, na Itália, os donos da casa, os argentinos, os alemães e os ingleses brigaram por vagas na decisão.

A seleção brasileira só voltaria a uma semifinal em 1994, nos Estados Unidos, quando ficaria com o tetra, ao lado de Suécia, Bulgária e Itália. O País repetiu o feito e chegou a este estágio do torneio em 1998, com França, Holanda e Croácia, e 2002, na Ásia, junto a Alemanha, Coreia do Sul e Turquia.

Nas últimas três Copas, a única a ir a todas as semifinais foi a Alemanha. Em 2006, em casa, ao lado de Itália, França e Portugal. Quatro anos mais tarde, na África do Sul, com Espanha, Holanda e Uruguai. E em 2014, no Brasil, quando ficou com o tetra, teve como rivais nesta fase a seleção brasileira, a Argentina e a Holanda.

As semifinais da Copa do Mundo da Rússia acontecerão na próxima terça e quarta-feira, às 15 horas (de Brasília). França e Bélgica abrem a disputa, em São Petersburgo, e no dia seguinte, a Croácia encara a Inglaterra, em Moscou. Croatas e belgas lutam para chegar à primeira decisão do torneio em suas histórias.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.