Copa de 2014: Fifa faz acordo com Inpi por combate à pirataria

Foco do acordo é mais a prevenção do que a punição, de acordo com o presidente do instituto brasileiro

EFE

05 de março de 2008 | 11h23

A Fifa e o Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi) do Brasil anunciaram nesta quarta-feira um acordo para lutar contra a pirataria e defender a propriedade intelectual. O presidente da Fifa, o suíço Joseph Blatter, e o do Inpi, Jorge de Paula Costa Ávila, assinaram este protocolo de acordo em Zurique. A colaboração geral com a entidade brasileira tem por objetivo apoiar a proteção da marca da Fifa no Brasil, antecipando-se à realização da Copa de 2014, com um enfoque na prevenção mais que nas punições. O Inpi decidiu aproveitar o programa de registro de marcas da Fifa no Brasil como um modelo para educar o público sobre a proteção dos direitos intelectuais. Como parte do acordo, o Inpi e a Fifa coordenarão suas ações com outras entidades brasileiras dentro do mesmo âmbito de atividades, como a alfândega, a Polícia e a procuradoria. As duas instituições compartilham a idéia de que a proteção das marcas registradas, combinada com ações educativas e informativas, desempenha um papel vital na luta contra a pirataria e decidiram unir esforços para desenvolverem estratégias comuns. O Inpi também usará sua rede de escritórios em todo o território brasileiro para informar ao público sobre a propriedade intelectual da Fifa e o programa contra a falsificação de produtos. 

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2014InpiFifa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.