Arturo Vidal fala em falta de sorte ao explicar derrota chilena

Volante avalia desempenho abaixo da média da equipe nas penalidades que decidiram o confronto contra o Brasil

Agência Estado

28 de junho de 2014 | 19h33

Derrotado pelo Brasil neste sábado, pelas oitavas de final da Copa do Mundo, o volante Arturo Vidal disse que faltou sorte aos chilenos nas cobranças das penalidades máximas que decidiram o confronto. Após o empate em 1 a 1 no tempo normal e na prorrogação, o Chile desperdiçou três pênaltis e foi derrotado por 3 a 2.

"Faltou um pouco de sorte. Nos pênaltis é assim, tudo pode acontecer", disse o destaque da seleção chilena, que atua pela Juventus, de Turim.

Há um mês, Vidal passou por uma operação no menisco do joelho direito, mas com o tratamento intensivo na seleção conseguiu estar em campo no Mundial. Após a eliminação, o volante garantiu que, como ele, todos os jogadores lutaram até o fim. "Demos tudo, lutamos por um sonho e não conseguimos concretizá-lo, mas deixamos a vida em campo", destacou.

Em coletiva de imprensa após o revés no estádio do Mineirão, em Belo Horizonte, o técnico do Chile, Jorge Sampaoli, revelou que seu melhor volante jogou contra o Brasil à base de injeções, pois estava com dores. "(Vidal) Jogou sob efeito de injeções hoje (sábado). Tudo por sua seleção, colocou em risco sua condição física para que o Chile tivesse uma chance", admitiu o argentino.

Se estivesse 100% fisicamente, Arturo Vidal acredita que poderia ter ajudado mais para uma sorte melhor de sua seleção no Mundial. No entanto, ele já está grato por ter conseguido entrar em campo. "Claro (seria melhor se estivesse 100%), são muitas coisas que aconteceram neste período, mas pelo menos pude jogar", ponderou o jogador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.