Briga de gigantes atrapalha preparação das seleções

Equipes patrocinadas pela Nike são impedidas de usar em amistosos a Brazuca, bola da Copa que é feita pela Adidas

Jamil Chade - Correspondente, O Estado de S. Paulo

31 de maio de 2014 | 08h14

GENEBRA - A disputa feroz entre a Adidas e a Nike pela liderança no mercado do futebol começa a prejudicar até mesmo a preparação das seleções para a Copa. Nesta semana, dois dos times que estarão no Brasil para a competição foram proibidos de jogar em amistosos com a bola do Mundial, fabricada em parte no Paquistão pela Adidas. O motivo: o patrocinador da equipe, a Nike, exigiu que sua bola fosse usada.

Técnicos e jogadores se queixaram de que terão uma desvantagem em relação aos demais times, já que terão menos tempo para se acostumar com a Brazuca, a bola oficial da Copa.

A Adidas é a patrocinadora oficial da Fifa desde os anos 70 e vários relatos apontam como a empresa foi a que permitiu que a entidade mundial do futebol iniciasse sua expansão sem precedentes. A empresa alemã havia fechado um acordo com João Havelange de que, em troca de seu apoio à eleição do brasileiro, o cartola passaria a usar apenas a bola da Adidas como a oficial do Mundial. A estratégia funcionou e a empresa se transformou na maior no setor de artigos de futebol. 

Mas a Nike decidiu agora confrontar essa realidade e lutar para tirar parte do mercado da concorrente. Para isso, ampliou sua ofensiva ao ponto de impedir que os jogadores usem a bola alemã nos amistosos.

Um dos casos foi identificado no amistoso entre a África do Sul e a Austrália. Os australianos são patrocinados pela empresa americana e, assim, tiveram de deixar a Brazuca de lado. “Em particular nessa fase, na preparação da Copa do Mundo, não faz qualquer sentido”, atacou o capitão da equipe, Jedinak. “Mas o contrato da Nike nos obriga a usar a sua bola”, confirmou. “Seria ótimo jogar com a bola da Copa para que pudéssemos nos familiarizar com ela”, insistiu.

Quem também foi obrigado a usar a bola da Nike foi a seleção dos EUA, em um amistoso preparatório para a Copa contra o fraco Azerbaijão. Uma vez mais, os jogadores questionaram a decisão comercial de sua federação.

Já em 2013, a Federação Inglesa havia alertado que, apesar de manter um contrato com a Nike e substituir seu tradicional parceiro, a Umbro, iria exigir do patrocinador que autorizasse o uso da Brazuca para a preparação. Isso porque, na Copa de 2010 na África do Sul, a bola Jabulani causou a ira de dezenas de atletas e goleiros que acusaram a Fifa de não ter dado tempo suficiente para treinar com a nova bola. Procurada pelo Estado, a Nike não se pronunciou.

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2014Copa do MundoNikeAdidas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.