'Foi um dia negro para nós', lamenta Ottmar Hitzfeld, da Suíça

Treinador promete conversa para motivar jogadores, mas mantém otimismo por vaga para segunda fase da Copa do Mundo

Fernando Faro - enviado especial a Salvador, O Estado de S. Paulo

20 de junho de 2014 | 19h43

Minimizar a goleada por 5 a 2 imposta pela França e manter o tom otimista por uma vaga no Grupo E foram os duros desafios de Ottmar Hitzfeld após a partida na Fonte Nova. O técnico da Suíça chegou para a entrevista coletiva com semblante ainda mais carrancudo, mas escolheu as palavras para analisar o jogo.

Ao comentar a partida, ele admitiu que o desempenho da equipe foi muito abaixo do esperado e lamentou o fato da equipe ter acusado o golpe do primeiro gol, o que acabou sendo crucial para que a França construísse a goleada sem maiores dificuldades.

"Estou muito decepcionado, foi um dia negro para nós. Não alcançamos nosso potencial pleno. Até o primeiro gol tivemos um bom início, mas aí os gols nos quebrara. Foi terrível voltar ao jogo porque eles ficaram à espera dos nossos erros para os contra-ataques e tivemos que fazer esse jogo deles", analisou o treinador.

Mesmo com a surra, a Suíça continua com boas chances de classificação. Para passar de fase, os helvéticos precisam vencer Honduras e os equatorianos não podem bater os franceses na última rodada. Até por isso o técnico procurou pontos positivos na dura derrota imposta.

"Vamos analisar esse jogo o quanto antes, falarei com os jogadores e terei conversas individuais. Depois de ver o vídeo do jogo, vamos olhar para o futuro. Temos boas chances de nos classificarmos, não podemos ficar tão temerosos e nem nos abalar com as críticas, que virão e com razão. Ganhamos juntos e perdemos juntos e espero uma reação conjunta da equipe."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.