Maradona culpa juiz italiano e lembra derrota em 90

Ex-atacante diz que alemães foram beneficiados pela arbitragem

ALMIR LEITE - Enviado especial ao Rio de janeiro, O Estado de S. Paulo

13 de julho de 2014 | 20h32

Maradona culpou o juiz italiano Nicola Rizzoli pelo vice-campeonato da Argentina. O ex-jogador, que não esteve no domingo no Maracanã, usou o Twitter para chorar o choro dos perdedores e reclamou, especialmente, de um pênalti que não teria sido marcado do goleiro Neuer em Higuaín. E disse que a Alemanha foi beneficiada de novo pela arbitragem numa decisão de Copa com os argentinos, como havia ocorrido em 1990.

"Há 24 anos, foi Codezal... hoje, Rizzoli??, postou Maradona. No Mundial da Itália, a Argentina também perdeu a final para a Alemanha por 1 a 0, gol de Brehme, aos 40 minutos do segundo tempo, na cobrança de um pênalti bastante duvidoso de Sensini em Voeller, marcado pelo juiz uruguaio Edgardo Codezal.

Em outra mensagem, Maradona coloca uma foto do lance em que Neuer dá um soco na bola e bate com o joelho na cabeça de Higuaín, com a legenda: "Para a Fifa, isto não é pênalti??. Maradona fez questão de elogiar os jogadores argentinos. "Levantem a cabeça, rapazes. A derrota de um gigante é a felicidade dos medíocres", escreveu.

O ídolo argentino não esteve no Maracanã e, para a imprensa de seu país, a ausência foi consequência do boicote da Fifa. O jornal Olé publicou até em sua versão digital uma lista com os nomes de convidados VIPs da entidade para a final - e o de Maradona não constava. O diário lembrou das críticas que Maradona faz a Joseph Blatter.

Mesmo sem ir ao estádio, o ex-jogador se fez presente na voz dos torcedores. Os argentinos recorreram a seu nome e suas façanhas no futebol para empurrar Messi e companhia. Os brasileiros, torcendo claramente para os alemães, apelaram para a musiquinha que percorreu as arenas do País nesta Copa, cuja "letra?? exalta Pelé e lembra o envolvimento de Maradona com drogas para provocar os argentinos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.