Neymar diz que 'nunca caminhou tanto para bater pênalti'

Craque relata drama de fazer a última cobrança do Brasil na decisão

LUIZ ANTÔNIO PRÓSPERI - enviado especial a Belo Horizonte, O Estado de S. Paulo

28 de junho de 2014 | 18h22

Neymar disse que nunca caminhou tanto em sua vida até chegar à marca do pênalti. Na sua avaliação, a distância foi "quilométrica" até ajeitar a bola para a última cobrança do Brasil na disputa das penalidades contra o Chile. Se errasse a batida, poderia sair crucificado do Mineirão. "Quando cheguei na bola, aí já estava tranquilo. Até lá acho que andei uns cinco quilômetros, foi um sofrimento", disse brincando, na saída dos vestiários do estádio, em Belo Horizonte.

Ao drama que viveu até bater o pênalti, Neymar coloca na conta a dor que sentia na coxa esquerda, alvo de uma pancada de um chileno (Arturo Vidal) com menos de cinco minutos de jogo. "Teve de tudo, pancada, cãibra, muita dor e muita emoção. Foi um dos jogos que mais sofri na minha vida".

Sofreu tanto que não teve como conter o choro ao ver Jara errar o pênalti, que deu a classificação ao Brasil e mandou o Chile de volta para casa. Neymar levou as mãos ao rosto, escondeu as lágrimas e desabou no gramado. "Foi um choro de sofrimento e de alívio. Me preparei tanto para chegar até aqui e não poderia ver tudo indo embora tão rápido assim".

Neymar deixou o Mineirão com um hematoma forte na coxa esquerda. Segundo o médico José Luiz Runco, o craque vai passar por tratamento intensivo até o jogo das quartas de final, na próxima sexta-feira, em Fortaleza. Runco garantiu que Neymar sofreu apenas uma pancada e não preocupa para a próxima partida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.