Nigéria sofre, mas vence e elimina a Bósnia-Herzegovina

Nigéria e Bósnia provaram neste sábado em Cuiabá que não se pode subestimar uma partida de Copa do Mundo. As seleções são pouco badaladas, mas protagonizaram um encontro movimentado, com o menor número de faltas do torneio (16) e o desfecho importante a favor dos africanos, que com a vitória por 1 a 0, encaminharam a vaga nas oitavas.

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

21 de junho de 2014 | 21h01

O fim do jogo foi de tirar o fôlego. Para salvar a derrota, que decretou a eliminação, os bósnios pressionaram nos minutos finais, acertavam a trave e foram atrapalhados pela atuação de Eneyama, escolhido o melhor goleiro do último Campeonato Francês, pelo Lille.

Dos estreantes em Mundiais se esperava um desempenho melhor no torneio, principalmente pela boa campanha nas Eliminatórias. Com a segunda derrota seguida, na última rodada vão cumprir contra o Irã, que precisa ganhar e torcer para uma derrota da Nigéria para avançar.

O jogo deste sábado teve várias oportunidades de gol desde o começo. As equipes sabem que em um grupo com a presença da Argentina, os demais integrantes fazem apenas figuração e disputam entre si a segunda vaga. Por isso, valeu ir ao ataque.

Os resultados negativos na primeira rodada colocaram mais pressão na busca pela vitória. Ambos vieram com mudanças na escalação e postura mais ofensiva.

Os africanos apostavam na correria, pois tinham pelos lados do campo o espaço que tanto faltou no pífio empate sem gols com o Irã. Os bons volantes Mikel e Onazi roubavam a bola e tinham qualidade no passe para acionar o ataque.

Já a Bósnia, seguia a cartilha típica de países da ex-Iugoslávia e valorizava a troca de passes curtos e a centralização dos lances no único atacante o grandalhão Dzeko, de 1m93. Somente no primeiro tempo o jogador do Manchester City finalizou quatro vezes, fora um gol mal anulado.

O nigeriano Eneyama garantia o time na defesa e a resposta da equipe era nos contra-ataques. Em um típico lance de futebol africano, Emenike caiu pela ponta-direita, trombou com o zagueiro Spahic e cruzou para Odemwingie abrir o placar aos 29 minutos, sob intensas reclamações bósnias de falta.

A desvantagem enervou a equipe gradativamente ao longo do segundo tempo. O técnico Safet Susic fez as três alterações em um intervalo de apenas sete minutos e pouco mudou.

Fechados na defesa, os africanos esperavam os erros de passe dos adversários para dar o bote nos contra-ataques. O goleiro Begovic salvou, enquanto os atacantes bósnios cansaram de perder chances nos minutos finais, quando foram atrapalhados ou pelo nervosismo, ou por Eneyama.

FICHA TÉCNICA

NIGÉRIA 1 x 0 BÓSNIA-HERZEGOVINA

NIGÉRIA - Enyeama; Ambrose, Yobo, Omeruo e Oshaniwa; Mikel, Babatunde (Uzoenyi), Odemwingie e Onazi; Musa (Ameobi) e Emenike. Técnico: Stephen Keshi.

BÓSNIA-HERZEGOVINA - Begovic; Mujdza, Sunjic e Spahic; Besic, Hajrovic (Ibisevic), Medunjanin (Susic), Pjanic, Lulic (Salihovic) e Misimovic; Dzeko. Técnico: Safet Susic.

GOL - Odemwingie, aos 28 minutos do primeiro tempo.

CARTÕES AMARELOS - Mikel (Nigéria); Medunjanin (Bósnia-Herzegovina).

ÁRBITRO - Peter O''Leary (Fifa/Nova Zelândia).

RENDA E PÚBLICO - Não disponíveis.

LOCAL - Arena Pantanal, em Cuiabá (MT).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.