Seleção brasileira sofreu demais com pressão, diz psicóloga

Regina Brandão, convocada por Felipão após jogo contra o Chile, disse que o próprio técnico reconheceu cobrança excessiva

O Estado de S. Paulo

14 de julho de 2014 | 23h38

A psicóloga Regina Brandão, convocada pelo ex-técnico da seleção brasileira, Luiz Felipe Scolari, para ajudar os jogadores após o episódio de aparente descontrole emocional depois do jogo contra o Chile, declarou na noite desta segunda-feira que o grupo inteiro sofria demais com a pressão de torcedores e até da própria comissão técnica. Durante entrevista no programa Roda Viva, da TV Cultura, Regina chegou a dizer que o próprio Felipão reconheceu a cobrança excessiva.

"O pós-jogo do Chile foi um momento único por ter se tratado de uma partida extremamente difícil e isso foi aumentando ainda mais a tensão dos jogadores para os próximos jogos", detalhou a psicóloga. "Apesar de mostrar muitas qualidades, o elenco tinha pouca experiência para enfrentar tanta cobrança."

Para a profissional, a falta de tempo hábil para trabalhar a maturidade emocional dos atletas contribuiu para que o grupo passasse a imagem de descontrole. "O trabalho foi limitado, sem dúvida. Não houve tempo para fazer um treinamento mental com os jogadores. A psicologia no esporte tem de ser trabalhada dentro de um tempo e sabe-se que uma competição dessas atinge uma intensidade máxima emocional", explicou.

Segundo Regina, o momento abre espaço para discutir as mudanças que podem ser feitas dentro dos clubes brasileiros. "A seleção alemã, por exemplo, teve 10 anos de preparo emocional. O Benfica, de Portugal, trabalha com o mesmo psicólogo há 18 anos. É uma mudança que tem de ser feita de cima para baixo, partindo das direções dos clubes. Torço para que isso não caia no esquecimento."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.