Thiago Silva desabafa e explica isolamento nos pênaltis, contra o Chile

Capitão da seleção brasileira desabou no campo após vitória

Leandro Silveira - Enviado especial a Belo Horizonte, Agência Estado

29 Junho 2014 | 16h32

Sob o clima de tensão que pairava no Mineirão antes do início da disputa de pênaltis na partida entre Brasil e Chile, no último sábado, pelas oitavas de final da Copa do Mundo, várias cenas chamaram a atenção, como o choro do goleiro Julio Cesar, o herói da classificação. E uma delas envolvia o zagueiro Thiago Silva, isolado do restante do grupo. A situação provocou as críticas ao capitão da seleção brasileira, que usou as redes sociais neste domingo para desabafar.

Após o final da prorrogação no Mineirão, no último sábado, Thiago Silva ficou inicialmente isolado do restante dos jogadores da seleção, permanecendo sentado em cima de uma bola, com os olhos marejados. Depois da classificação brasileira para as quartas de final, ele disse que não estava confiante para bater pênalti e preferiu não se apresentar para a disputa, vencida pelo Brasil por 3 a 2.

Mesmo em dia de folga, Thiago Silva se manifestou e defendeu o seu comportamento, justificando que estava concentrado e rezando antes da decisão por pênaltis. "As pessoas julgam sem saber o que está acontecendo! Para quem falou que eu estava derrotado nesta foto aí sentado na bola, estava muito enganado, sou brasileiro e não desisto nunca. Apenas queria um momento meu pra fazer minha oração!", escreveu Thiago Silva em seu perfil no Instagram, uma rede social de compartilhamento de fotos.

Na véspera do jogo contra o Chile, Thiago Silva se emocionou durante entrevista coletiva no Mineirão e admitiu que a pressão provocada por disputar uma Copa em casa ainda o atingia, mesmo após o encerramento da fase de grupos. 

Classificada para as quartas de final da Copa, a seleção está de folga neste domingo e se reapresenta na segunda-feira, quando iniciará a preparação para o jogo com a Colômbia, sexta-feira, no Castelão, em Fortaleza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.