Torcedores uruguaios fazem protesto contra Fifa no Maracanã

Arquibancadas ficaram repletas de rostos de Luis Suárez, suspenso pela Fifa por nove jogos após morder o ombro do italiano Chiellini

Jamil Chade - enviado especial ao Rio de Janeiro, O Estado de S. Paulo

28 de junho de 2014 | 17h30

A Fifa baniu Luis Suárez da Copa do Mundo e o impediu de entrar em estádios por quatro meses. Mas neste sábado, no Maracanã, não era apenas um Suárez que estava nas arquibancadas. A torcida uruguaia levou ao estádio centenas de máscaras com o rosto do jogador, além dezenas de cartazes fazendo referência ao atacante.

Suárez foi suspenso depois que mordeu um zagueiro italiano. Sua sanção abriu um debate dentro e fora da Fifa. Líderes de diversos países na América Latina saíram em sua defesa, acusando a Fifa de uma manipulação para tirar o jogador do Mundial.

Na partida contra a Colômbia, a torcida fez questão de protestar. Com as máscaras, os uruguaios gritavam. "Fifa, estamos aqui", entoavam. Cartazes ainda diziam "Eu sou Luis Suárez". Momentos antes do jogo começar, o estádio ainda foi tomado por um grito de "Olé, olé olé, Suárez, Suárez".

"Hoje mordemos todos", dizia um cartaz. O outro ainda ironizava. "Somos três milhões de vampiros", em uma referência à população uruguaia.

Para a médica Cristina Sanchez, de Montevidéu, a atitude era uma "resposta a uma injustiça". "A Fifa só faz isso porque o Uruguai é um país pequeno", declarou, com a máscara do jogador colocada.

Antes da partida, Suárez pediu que todos os uruguaios apoiassem a Celeste no jogo contra a Colômbia no Maracanã.

"Escrevo esta mensagem para agradecer a todos pelo apoio e carinho que estou recebendo", disse. "Tanto eu como minha família agradecemos muito. Muito obrigado por estar ao meu lado e quero que todos hoje apoiemos meus companheiros de seleção para o jogo contra a Colômbia", completou.

Documentos confidenciais da Fifa obtidos pelo Estado revelam que a entidade decidiu aplicar uma punição inédita sobre o uruguaio Luis Suárez por ele não ter mostrado arrependimento pela mordida. Outro fator que pesou foi a constatação de que as duas punições já adotadas contra o jogador no passaram não surtiram efeito. A intenção, segundo os informes secretos, era de que a nova sanção fosse "dissuasiva". A Fifa, porém, rejeitou as provas apresentadas pelo Uruguai.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.