Carl Recine/Reuters
Carl Recine/Reuters

Copa do Mundo da Rússia bate recorde de disputa de pênaltis nas oitavas de final

Três confrontos neste Mundial já foram decididos nas penalidades máximas

Beto Silva, especial para o Estado, Estadão Conteúdo

03 Julho 2018 | 18h42

As oitavas de final da Copa do Mundo da Rússia foi encerrada nesta terça-feira e um recorde foi batido. Com a disputa por pênaltis entre Colômbia e Inglaterra, no Spartak Stadium, em Moscou, com vitória inglesa por 4 a 3 - após empate por 1 a 1 -, a edição de 2018 do Mundial é a que tem o maior número de confrontos decididos nos tiros livres nesta fase. Dos oito duelos, três foram definidos desta maneira, após empates nos 90 minutos e na prorrogação.

+ Saiba quais são os jogos e horários das quartas de final da Copa do Mundo

+ Resumo da Copa do Mundo 2018: confrontos das quartas de final definidos marcam o 20º dia

Antes, as disputas de penalidades haviam definido vaga às quartas de final para a Rússia diante da Espanha (1 a 1 na partida e 4 a 3 nos pênaltis), em Moscou, e para a Croácia, que bateu a Dinamarca (1 a 1 no duelo e 3 a 2 na decisão), em Nijni Novgorod.

O recorde anterior era do Mundial do Brasil, em 2014, quando ocorreram duas disputas por pênaltis nas oitavas de final: a seleção anfitriã passou pelo Chile por 3 a 2, depois do empate por 1 a 1 nos 120 minutos, em Belo Horizonte, e a Costa Rica eliminou a Grécia por 5 a 3, após 1 a 1 no jogo, no Recife.

 

A primeira Copa do Mundo com o sistema atual de disputa foi a do México, em 1986, em que a partir da primeira fase, de grupos, classificam-se os 16 melhores, que se enfrentam em mata-mata nas oitavas de final, quartas, semi e final. Naquele Mundial não houve decisão por penalidades nas oitavas de final.

De lá para cá, até a Copa de 2014, sempre aconteceu um confronto de tiros livres nesta fase. Na Itália, em 1990, a Irlanda bateu a Romênia (0 a 0 e 5 a 4). Nos Estados Unidos, em 1994, a Bulgária levou a melhor sobre o México (1 a 1 e 3 a 1). Na França, em 1998, a Argentina superou a Inglaterra (2 a 2 e 4 a 3). Na Coreia do Sul/Japão, em 2002, a Espanha venceu a Irlanda (1 a 1 e 3 a 2). Na Alemanha, em 2006, a Ucrânia avançou diante da Suíça (0 a 0 e 3 a 0). Por fim, na África do Sul, em 2010, o Paraguai despachou o Japão (0 a 0 e 5 a 3).

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.