Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Copa do Mundo: governo prevê gastar R$ 1,170 bilhão com segurança

Projeto vai envolver mais de 100 mil profissionais de segurança e defesa civil, sem considerar o contingente das Forças Armadas

Marcelo Gomes, Agência Estado

14 de fevereiro de 2014 | 10h48

RIO - O governo federal prevê que o plano de segurança pública para a Copa do Mundo custará R$ 1,170 bilhão e envolverá 100 mil profissionais de segurança e defesa civil (sem considerar o contingente das Forças Armadas). Estão incluídos agentes federais (da Abin, da Força Nacional, e das polícias Federal e Rodoviária Federal), estaduais (policiais militares e civis, e bombeiros) e municipais (guardas civis e agentes de trânsito), segundo a Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos (Sesge) do Ministério da Justiça, responsável pelo planejamento. "A maior parte do montante foi investido em equipamentos que ficarão de legado para os Estados", disse o secretário Andrei Rodrigues, da Sesge.

Além da construção de 14 Centros Integrados de Comando e Controle (12 regionais e dois nacionais, em Brasília e no Rio), os Estados vão receber 27 Centros de Controles Móveis (caminhões equipados que ficarão nas proximidades dos estádios), 12 imageadores aéreos (equipamentos instalados em helicópteros, capazes de captar e transmitir imagens em tempo real para os centros de controle), robôs para detonação de explosivos e 36 Plataformas de Observação Elevadas (com 12 câmeras de alta resolução capazes de captar, tratar e transmitir imagens).

Todo o aparato de segurança estará em pleno funcionamento no período entre 20 dias antes da Copa (20 de maio) até 5 dias depois do término (18 de julho). Neste período, todos os 14 CICCs (Centros Integrados de Comando e Controle) estarão operando 24 horas por dia.

A Força Nacional de Segurança (FNS) colocará 10.600 homens à disposição das 12 cidades que vão sediar jogos. No entanto, pelo menos cinco governos estaduais não pretendem, a princípio, solicitar apoio da Força: São Paulo, Paraná, Ceará, Bahia e Amazonas. Ainda não decidiram a utilização da mesma Rio, Distrito Federal, Minas Gerais e Mato Grosso. Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Pernambuco não responderam aos questionamentos da reportagem.

A secretária nacional de Segurança Pública, Regina Miki, disse que foram ministrados mais de 40 cursos para os agentes da FNS, como mediação de conflitos e controle de distúrbios, no caso de haver protestos. "Nossa preocupação é garantir o direito legítimo dos brasileiros à manifestação. Para aqueles que usarem os protestos para praticar crimes, os policiais da Força foram treinados para discerni-los e individualizar suas condutas para que sejam punidos de acordo com a lei", disse Regina.

A função que a FNS vai desempenhar em cada cidade vai variar. Em alguns locais, ficará aquartelada como força de contingência. Em outros, auxiliará a Polícia Militar no patrulhamento ostensivo. Em Estados, poderá acompanhar as delegações, com batedores.

A quantidade de chefes de Estado que virão ao Brasil ainda não está fechada, mas a Sesge já trabalha com a presença dos presidentes dos países dos BRICs (Rússia, Índia, China e África do Sul), já que a reunião de cúpula do grupo foi marcada para logo depois da final da Copa, em Fortaleza. Mandatários de EUA, Israel, Irã e países em conflito serão classificados como de alto risco, e terão esquema de segurança especial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.