Paul Faith/AFP
Paul Faith/AFP

Copa do Mundo rendeu mais a cartolas que ao futebol brasileiro

Brasil receberá ao longo dos anos R$ 331 milhões da Fifa. Já os funcionários ficaram só em 2014 com R$ 364 milhões em salários

Jamil Chade - Zurique, O Estado de S. Paulo

20 Março 2015 | 07h09

A renda da Copa do Mundo no Brasil permitiu que a Fifa aumentasse os salários de seus cartolas e funcionários. No total, a entidade distribuiu mais benefícios a seus integrantes que o volume de dinheiro que destinou ao Brasil como contribuição ao desenvolvimento do futebol.

Dados obtidos com exclusividade pelo Estado revelam que, apenas em 2014, os cartolas e funcionários da Fifa receberam um total de US$ 110 milhões (R$ 364,43 milhões na cotação atual) em salários, bônus e outros pagamentos.

No informe financeiro que será publicado na tarde desta sexta-feira, a Fifa não especifica quanto foi destinado ao presidente Joseph Blatter ou ao secretário-geral da entidade, Jérôme Valcke. Trata-se do primeiro documento oficial da Fifa sobre os resultados financeiros do Mundial.

As rendas individuais de cada dirigente são mantidas em sigilo. Mas, nos últimos meses, cartolas compraram casas avaliadas em mais de R$ 13 milhões na região de Zurique. Em menos de dez anos, os salários na Fifa mais que dobraram. Em 2008, por exemplo, eles eram de cerca de US$ 52 milhões (cerca de R$ 172 milhões atualmente).

Os números contrastam com o dinheiro que a Fifa deu ao Brasil, sede da Copa e onde não se cobrou impostos da Fifa. A entidade criou um fundo para ajudar o futebol nacional e enviará ao longo dos próximos anos um total de US$ 100 milhões (em torno de R$ 331 milhões). O primeiro projeto está sendo realizado em Belém e, nos próximos anos, iniciativas para construir centros de treinamentos e instalações vão ser implementadas pelo País.

A contribuição foi destacada por Blatter e Valcke como uma prova de que parte da renda da Copa do Mundo voltaria ao Brasil. Em novembro de 2014, Valcke indicou que o fundo criado para o Brasil seria "uma excelente plataforma para distribuir os benefícios de uma Copa inesquecível". "Como na África do Sul e no Brasil, é nosso objetivo usar as próximas Copas do Mundo para promover um desenvolvimento sustentável do futebol nos países sedes", disse. O que não revelou é que os maiores beneficiados dessa explosão na renda seriam eles mesmos, com maiores salários e mais funcionários.

Como o Estado revelou com exclusividade na quinta-feira, a Fifa anunciará nesta sexta uma renda recorde de US$ 5 bilhões (R$ 16 bilhões) por conta da Copa do Mundo. A distribuição de dinheiro para seus cartolas e mesmo os "presentes" às federações às vésperas da re-eleição de Blatter farão com que os lucros líquidos sejam menores. Mas a realidade é que nunca tanto dinheiro circulou pela entidade como agora.

INGRESSOS

Os torcedores brasileiros e estrangeiros ainda garantiram uma renda para a Fifa de R$ 1,7 bilhão (R$ 5,6 bilhões) apenas ao lotar os estádios para a Copa do Mundo de 2014 e para a Copa das Confederações de 2013.

Ao contrário do que ocorreu nos últimos Mundiais de 2010 e 2006, o dinheiro dos ingressos foi administrado e recolhido no Brasil diretamente pela Fifa. Por meses, a entidade rejeitou pedidos do governo brasileiro para que estudantes e idosos tivessem benefícios.

Enquanto a Fifa nada em dinheiro, o Tribunal de Contas da União indicou que, no total, as renúncias na arrecadação de impostos no Brasil foram de R$ 1,1 bilhão (R$ 3,6 bilhões) diante do acordo de que a entidade máxima do futebol não pagaria impostos pela Copa do Mundo.

Mais conteúdo sobre:
Copa 2014 Copa do Mundo Fifa CBF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.