Divulgação
Divulgação

Copa do Nordeste volta e reabilita os clubes da região

Depois de edições fracassadas, competição se recupera com média de mais de 8 mil torcedores por partida

Ciro Campos e Raphael Ramos , O Estado de S. Paulo

31 de março de 2013 | 08h00

SÃO PAULO - Depois de viver o seu auge de 1997 a 2002 e ter duas edições fracassadas em 2003 e 2010, a Copa do Nordeste retornou revitalizada ao calendário nacional esse ano. O primeiro número que salta ao olhos é a média de público de 8.462 torcedores por jogo e com previsão de crescimento para até 15 mil no ano que vem. As partidas foram transmitidas para todo o País e, segundo o canal Esporte Interativo, atingiram 20,5 milhões de telespectadores.

Mais do que faturar alto com bilheteria logo nos primeiros meses do ano, os clubes comemoram as cotas de direitos comerciais (TV e publicidade) pagas aos 16 participantes. Cada clube ganhou de início R$ 300 mil, fora premiações conforme avançavam no torneio, e no fim das contas arrecadaram em média R$ 932 mil.

O campeão Campinense faturou R$ 1,6 milhão, dinheiro suficiente para bancar as despesas por seis meses. Porém, quem mais reforçou o cofre foi o semifinalista Ceará. O clube arrecadou R$ 2,8 milhões e teve como arma a boa campanha e os jogos mandados no recém-inaugurado Castelão. O estádio recebeu o público recorde no futebol brasileiro em 2013: 52 mil pagantes no jogo contra o ASA.

"A distância dos times do Nordeste para os do Sul e Sudeste do País tem aumentado a cada ano. No primeiro semestre, os clubes do Nordeste têm de ser criativos e obter receitas para ter fôlego no segundo semestre", afirmou Alexi Portela Júnior, presidente do Vitória e da Liga do Nordeste. "A Copa do Nordeste era um campeonato desacreditado que veio para mudar o primeiro semestre dos clubes da região."

O torneio conta esse ano com quatro patrocinadores e novos acordos já estão sendo alinhavados para a edição 2014. "A economia no Nordeste cresce acima da média do Brasil e os investidores sempre vão onde há oportunidades de crescimento. O poder aquisitivo dos nordestinos aumentou consideravelmente nos últimos anos", aponta o professor de finanças da FIA (Fundação Instituto de Administração), Alan Ghani.

Apesar de o Bahia ter dado vexame na Copa do Nordeste deste ano - foi eliminado ainda na primeira fase -, o presidente do clube, Marcelo Guimarães Filho, é um ferrenho defensor do torneio. "Os regionais são o futuro. Não tenho a solução, mas deixar os Estaduais como estão não tem a menor condição. Estamos minando as finanças dos clubes. Os regionais são mais atraentes, têm rivalidade acirrada, mais público, estádios mais confortáveis", disse.

A partir de agora, nos Estaduais da região, os principais clubes só vão começar a participar na segunda fase e a classificação final vale vaga para o torneio regional. O Náutico, por exemplo, fez uma campanha ruim em 2012 e não teve o direito de disputar a Copa do Nordeste. "Os dois torneios foram vinculados um ao outro e a primeira fase foi valorizada pela rivalidade existente dos times do interior que estão em cidades próximas", explicou o presidente da Federação Pernambucana de Futebol, Evandro de Carvalho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.