Copa dos Campeões faz balanço

Subiu o preço dos ingressos, caiu a média de público. Essa é a situação da Copa dos Campeões desta temporada, em relação à competição do ano passado. O preço dos ingressos teve uma majoração de 60%, e provavelmente como conseqüência disso, a média atual de público de 15.549 torcedores perde para a do ano passado que atingiu 22.370 torcedores. No ano passado, na primeira Copa dos Campeões, a geral custava R$ 3,00 e foi para R$ 5,00; a arquibancada pulou de R$ 6,00 em 2000 para R$ 10,00 este ano; e a cadeira numerada foi de R$ 25,00 para R$ 30,00. Para a Sport Promotions, responsável pela organização da competição, que prevê R$ 5 milhões para os clubes participantes, dos quais R$ 1,6 ficará com o campeão, essa queda de torcedores, até a rodada do fim de semana, não significa que a Copa dos Campeões diminuiu a importância entre os torcedores de Maceió e João Pessoa, sedes dos jogos. "A majoração dos ingressos foi para evitar superlotação nos estádios e ação dos cambistas", disse Romeu Carvalho de Castro, assessor de imprensa, da Sport Promotions. A média de público de 15 mil é considerada ainda excelente, segundo os organizadores da competição. Na primeira rodada, por exemplo, 23.260 torcedores estiveram no Estádio Almeidão, em João Pessoa. A Sport Promotions acredita que nos dois jogos das finais a tendência é melhorar a média de público. Se na parte de público houve queda, no índice técnico o resultado tem sido superior em relação ao ano passado. Antes da segunda rodada das semifinais, o tempo de bola em movimento evoluiu de 54 minutos em 2000 para 58,5 em média por partida. Com isso, a média de gol também progrediu: 2.6 gols por jogo em 2000 para 3.1 por partida nesta competição. Entre os clubes que não fazem parte da região do nordeste, o Flamengo, segundo os organizadores, detém o maior número de torcedores nas duas sedes da Copa dos Campeões. Mas o São Paulo, na avaliação da Sport Promotions, tem demonstrado uma simpatia muito grande entre os torcedores locais. "Outro fator positivo foi o Coritiba, que com um trabalho de marketing, distribuindo brindes nos estádios e pelas cidades, conquistou a torcida, em uma região que o Coritiba não tinha tradição", disse Romeu. Para 2002, de acordo com o novo calendário da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) a Copa dos Campeões vai dobrar o número de clubes participantes de 8 para 16. Com isso, serão criadas mais duas sedes, provavelmente também na região nordeste. Mas nenhuma cidade tem a preferência garantida pela CBF para recepcionar a competição. Segundo a Sport Pomotions tudo dependerá do encargos de compromissos que a entidade apresentará para as cidades que se candidatarem como sedes. Maceió novamente vai se candidatar como uma das sedes e com o direito de ser a cidade do último jogo da competição, como ocorrerá neste ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.