Pavel Golovkin/AP
Pavel Golovkin/AP

Copa 'moderna e organizada' favorece imagem da Rússia, analisam especialistas

Torneio mundial conquistado pela França superou desconfianças

Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

17 de julho de 2018 | 07h00

A Copa de 2018 na Rússia deixa uma imagem positiva do país-sede para o resto do Mundo, de acordo com especialistas ouvidos pelo Estado. Além das expectativas pelo que seria visto dentro de campo, o torneio também começou rodeado de receio em função das ameaças de terrorismo e da possibilidade de uma suposta hostilidade local contra estrangeiros.

Duas ativistas que invadiram o campo na final da Copa pegam 15 dias de prisão

Mas o torneio superou essas desconfianças. “Dada a demonização internacional do presidente Vladimir Putin, encontrar um povo hospitaleiro e alegre nas ruas, congraçando-se com pessoas de todo o mundo foi uma surpresa agradável para a grande maioria”, analisa pesquisadora Lenina Pomeranz, doutora da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (USP).

Autora do livro recém-publicado Do Socialismo Soviético ao Capitalismo Russo, ela afirma que o governo russo conseguiu, com o Mundial, passar uma imagem de um país mais aberto. “Putin conseguiu passar ao mundo a imagem de uma Rússia moderna e organizada, e ao mesmo tempo zelosa com suas heranças históricas, como se pôde ver nas imagens de seus templos e edifícios seculares, transmitidas dos locais dos jogos.”

“Todos os países, em geral, que procuram sediar as Copas não o fazem unicamente por interesses esportivos”, analisa o pesquisador Ângelo Segrillo, também da USP, autor dos livros Os Russos e Karl Marx: uma biografia dialética. “Há interesses de projeção de imagem e poder e ainda interesses econômicos em atrair turistas no longo prazo. A Copa realizada de forma tranquila trará uma melhoria da imagem do país pelo mundo. Isso é importante, pois a imagem poderia ter piorado, caso houvesse episódios negativos como atentados terroristas, brigas entre torcidas, enfrentamentos entre a polícia russa e torcedores estrangeiros, por exemplo.”

PUTIN

O fortalecimento da imagem do país para o resto do mundo, contudo, não se traduz necessariamente em mais popularidade para Putin dentro de seus domínios, na avaliação dos especialistas. “Não acredito que a popularidade de Putin tenha se fortalecido”, opina Pomeranz. “Ele é um líder muito popular em seu país, popularidade essa que está agora sendo, de alguma forma, abalada, com a proposição de alterar as idades mínimas da previdência, mesmo gradativamente, até 2029.”

Para Segrillo, um ainda melhor desempenho do time nacional causaria impacto mais durável a favor do presidente. Os russos fizeram sua melhor campanha e sobreviveram até as quartas de final, eliminados pela vice-campeã Croácia. “Houve uma leve melhoria de imagem, mas menor que a do país em geral. A popularidade de Putin em si pode ter tido um leve empurrão, mas não acredito que seja algo muito significativo e durável”, afirma o pesquisador. “Ele teria tido um empurrão forte caso o time da Rússia, inicialmente desacreditado até pelos próprios russos tivesse chegado à ou ganhado a final. Aí sim talvez Putin pudesse ter sido visto como grande vidente de uma Copa que não só angaria simpatias ao país, mas até consegue um feito esportivo inédito.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.