Copa será 'para argentino nenhum botar defeito', diz Lula

Após confirmação de que será sede em 2014, presidente diz que Brasil 'fará lição'.

Thomas Pappon, BBC

30 de outubro de 2007 | 18h40

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta terça-feira em Zurique, na Suíça, que o país "fará uma Copa para argentino nenhum botar defeito".Depois do anúncio oficial de que o Brasil será a sede da Copa do Mundo de 2014, na sede da Fifa, Lula ressaltou que o país "saberá fazer a lição de casa".O presidente da Fifa, Joseph Blatter, defendeu a aprovação unânime do Brasil pelo Comitê Executivo da Fifa e disse acreditar que "a Copa terá um impacto social e cultural tremendo" no país.Por sua vez, o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, disse que "todos os segmentos saberão receber com galhardia" os visitantes do torneio, que, a seu ver, servirá como fator de unificação do Brasil."O Brasil estará unido para uma grande Copa, independente de qualquer tipo de coloração." A confirmação do Brasil era esperada. O relatório dos inspetores da Fifa, que estiveram no Brasil no final de agosto, concluiu que o país está apto a realizar a Copa, apesar de apontar precariedades em todos os estádios cotados para o torneio e no sistema de transportes públicos.Ao anunciar a decisão, Joseph Blatter enfatizou que o Brasil recebeu a "responsabilidade, não apenas o direito, mas a responsabilidade" de sediar o torneio.Romário, introduzido no palco pela Fifa como "exemplo da criatividade brasileira", disse que "o Brasil tem problemas, como todas as nações, mas o que virá primeiro será a alegria, a sabedoria, o carinho e a simpatia do povo".Perguntado por jornalistas estrangeiros sobre a ausência de Pelé na delegação brasileira, Teixeira disse desconhecer o paradeiro do craque e acrescentou que o Brasil estava bem representado "pelos dois jogadores que mais marcaram minha gestão, Dunga e Romário".Um dos próximos passos na preparação da Copa será a consolidação do Comitê Organizador do evento, que trabalhará em conjunto com as autoridades na reforma dos estádios e dos serviços considerados básicos para o torneio, como infra-estrutura e serviços.Mas, em um primeiro momento, as atenções estarão voltadas para a definição das cidades que serão sedes da Copa, "o maior segredo do Brasil", segundo Teixeira.O presidente da CBF disse que as 18 cidades candidatas começarão a ser inspecionadas em julho pela Fifa, e que a definição final sobre o número e o nome das cidades virá em dezembro, em uma reunião do Comitê Executivo da Fifa.O lobby em defesa de cada uma das cidades candidatas esteve a todo vapor em Zurique, com a presença dos governadores de 12 Estados. A numerosa comitiva brasileira, integrada também pelo presidente da República e por três ministros, chegou a ser chamada de "trem da alegria" por setores da imprensa brasileira. Perguntado pela BBC Brasil se era justificada a presença de uma delegação com tantos representantes do alto escalão do Executivo, o governador José Serra respondeu: "É difícil dizer se foi necessário, mas é um evento importante, sem a menor dúvida, para ser acompanhado de perto". Para o governador de Minas Gerais, Aécio Neves, "é uma questão de opinião". "Nós que estamos aqui achamos que sim", afirmou.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.