Andrés Cristaldo / EFE
Andrés Cristaldo / EFE

Copa Sul-Americana tem em 2019 aumento de 31% na premiação total

Torneio, que terá apresença dos paulistas Corinthians e Santos, vai pagar mais aos clubes nesta temporada

Redação, O Estado de S.Paulo

22 Janeiro 2019 | 04h30

A Copa Sul-Americana também teve aumentos significativos em suas premiações. No total, o segundo torneio mais importante do continente vai distribuir US$ 47,2 milhões (R$ 177,8 milhões) em prêmios, representando um aumento de 31% em relação a 2018.

Ao longo de sua participação, cada finalista poderá arrecadar até US$ 6,75 milhões (R$ 25,4 milhões). O campeão recebe US$ 4 milhões (R$ 15,1 milhões), o que representa um aumento de 60% em relação à edição do ano passado. Para efeitos de comparação, o Athletico-PR recebeu US$ 2,5 milhões (R$ 9,4 milhões) pelo título do ano passado.

Tudo isso significa um novo estímulo para os clubes brasileiros que estão no torneio em 2019. São eles: Bahia, Santos, Chapecoense, Corinthians, Fluminense e Botafogo. Se algum time do País for eliminado nas fases iniciais da Libertadores, também entrará no torneio.

A primeira fase paga US$ 300 mil (R$ 1,13 milhão); as oitavas de final sobem a US$ 500 mil (R$ 1,88 milhão) e as semifinais oferecem premiações de US$ 800 mil (R$ 3 milhões). Além disso, cada um dos finalistas receberá 25% da arrecadação da final única do torneio, cuja edição inaugural será disputada em Lima, Peru. “Estamos cumprindo o compromisso de gerar mais valor para o futebol sul-americano e de reinvesti-lo em seu desenvolvimento”, afirmou Alejandro Domínguez, presidente da Conmebol.

Adversários duros. O rival do Corinthians na primeira fase é o Racing, líder do Campeonato Argentino e algoz do próprio alvinegro em 2017. É o pior adversário que o time brasileiro poderia enfrentar. Os jogos serão disputados nos dias 14 e 27 de fevereiro, o primeiro em São Paulo.

O rival tem jogadores conhecidos do futebol brasileiro, como o atacante Cristaldo, ex-Palmeiras, e Ricardo Centurión, ex-jogador do São Paulo e hoje peça-chave do time argentino.

Em 2017, o Racing eliminou o Corinthians pelo critério do gol fora de casa (empate por 1 a 1 em Itaquera e um 0 a 0 em Avellaneda). Na ocasião, o time de Carille, agora de volta ao clube, teve um de seus pontos mais baixos: jogou mal e viu o meia Rodriguinho ser expulso com apenas um minuto em campo.

O River Plate do Uruguai, xará do famoso gigante argentino, será o primeiro rival do Santos. O time é considerado pequeno no país, abaixo de times médios, como Montevideo Wanderers (três títulos uruguaios), Danubio (quatro) e Defensor Sporting (quatro). As partidas serão nos dias 12 e 26 de fevereiro – jogo de ida no Uruguai.

 

 
Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.