Coração encerra carreira de lateral

Sofrendo de miocardiopatia hipertrófica assimétrica - mesma doença que matou Serginho - o lateral-direito Souza, do Cruzeiro, será aposentado por invalidez. Belo Horizonte, 03 (AE) - Com apenas 20 anos, o lateral-direito Souza, do Cruzeiro, que disputava o Campeonato Mineiro pelo Valério, de Itabira, terá de encerrar prematuramente sua carreira. Um diagnóstico confirmou hoje que o atleta sofre de um problema congênito no coração, que o impede de praticar um esporte de alto nível. O cardiologista do clube, Luiz Roberto Felipe, responsável pelos exames, disse que Souza sofre de miocardiopatia hipertrófica assimétrica. Segundo ele, a doença é a maior causa de morte súbita em atletas jovens. "A carreira dele no futebol é incompatível com essa doença. Posso dizer que o seu caso é idêntico ao do jogador Serginho, do São Caetano, que morreu em campo ano passado", observou o médico. "Ele correria o risco de sofrer uma morte súbita. Por isso, recomendamos ao Cruzeiro encerrar a sua carreira". Segundo Felipe, mesmo se afastando da prática esportiva, Souza necessitará de um acompanhamento periódico, e deverá fazer uso de medicamentos. O cardiologista não descarta a necessidade de cirurgia para a correção do problema, que leva ao aumento da espessura das paredes do coração. Mesmo longe do futebol, Souza terá que fazer um acompanhamento periódico com um cardiologista, disse Felipe. Souza, que chegou ao Cruzeiro em 2001, será obrigado a se aposentar por invalidez. A suspeita em relação aos problemas cardiológicos do jogador surgiram no último domingo, em Ituiutaba, no Triângulo Mineiro. Souza foi internado num hospital da cidade momentos antes da partida entre o Valério e o Ituiutaba. Nos vestiários, ele sentiu-se fraco e não foi relacionado para a partida pelo técnico Wantuil Rodrigues. O jogador foi levado para o Hospital Nossa Senhora da Abadia, onde foram realizados os primeiros exames. Diante da suspeita levantada pelos médicos, o clube de Itabira solicitou ao Cruzeiro que fossem feitas novas avaliações, que confirmaram a gravidade do caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.