Corinthians acerta projeto de R$ 20 mi

A nova parceria do Corinthians com o Banco Espírito Santo (BES), de Portugal, revelada ontem pela Agência Estado, já rendeu o primeiro fruto para o clube. Por intermédio da Luso Arena (ex-Brasil Luso Esportes), que tem os portugueses como um de seus parceiros, os corintianos conseguiram fechar acordo com um grupo de empresas que vai bancar a reforma do Estádio Alfredo Schurig. O montante arrecadado para a obra superou os R$ 6 milhões anteriormente previstos e atingiu o total de R$ 20 milhões. De acordo com o presidente Alberto Dualib, a obra vai além da ampliação da capacidade do estádio. Está programada uma reestruturação profunda do local. De grandes proporções, a obra vai mexer com todo o clube. Além de dar mais conforto e opções aos freqüentadores, um dos principais objetivos é aproximar o time da torcida. "Jogando aqui no Parque São Jorge dá até para o torcedor vir a pé, pois estamos no centro de um dos bairros mais corintianos da cidade", afirmou. Mas o dirigente reconhece: a diretoria mantinha secreto o projeto porque tinha receio de provocar expectativa nos torcedores. Confira a entrevista:Agência Estado - Presidente, já existe uma data certa para o início das obras na Fazendinha?Alberto Dualib - Estamos em fase de conclusão do projeto. Acredito que daqui a uns 15 dias ele deve ser analisado e depois teremos de aguardar a aprovação e autorização para iniciarmos a obra. Vamos tentar agilizar o máximo possível. AE - Por que o assunto era tratado sigilosamente? O receio em provocar nova expectativa na torcida pesa muito?Dualib - Não tenha dúvida. De fato nós estávamos guardando o projeto para divulgá-lo quando tudo estivesse pronto, já que sabíamos que o assunto do estádio ou da reforma do Parque São Jorge é sempre motivo de polêmica. Mas como a informação acabou saindo antes...AE - O que será feito no estádio? Dualib - Bom, será uma obra grande, de R$ 20 milhões, dinheiro que nós conseguimos com o apoio da Luso Arena, com a qual assinamos um protocolo. Não é só a troca de cadeiras ou ampliação da capacidade, que deve ficar entre 23 mil e 25 mil lugares. Vamos ter locais para o público se alimentar com conforto, iluminação melhorada...AE - Como os estádios brasileiros são antigos, um dos principais problemas é o estacionamento. Como esse detalhe será resolvido? Dualib - Nós vamos ter capacidade para 1.500 carros. Todo o lado esquerdo a partir da entrada da Rua São Jorge será dedicado ao futebol. Além disso, a área ao lado do estádio, onde hoje estão localizadas algumas quadras poliesportivas, será transformada também em estacionamento. E tem outro detalhe. Jogando aqui no Parque São Jorge dá até para o torcedor vir a pé, pois estamos no centro de um dos bairros mais corintianos da cidade.AE - Está mantida a idéia de jogar o Campeonato Brasileiro deste ano na Fazendinha? Dualib - Eu, particularmente, acho difícil, porque o trâmite das obras não depende só da nossa vontade. Mas faremos o possível para isso se concretizar.

Agencia Estado,

06 de março de 2004 | 09h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.