Rodrigo Coca/Agência Corinthians
Rodrigo Coca/Agência Corinthians

Corinthians acumula 300 minutos sem gols e vê Jô na mesma situação há um mês

Esse é o pior início de Campeonato Brasileiro já registrado pelo clube desde 2006

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de outubro de 2020 | 11h50

O Corinthians está há 300 minutos sem balançar a rede de seus adversários. O empate sem gols diante do Red Bull Bragantino, no último sábado, fez com que a equipe alvinegra atingisse essa marca, que é uma das piores já registradas em sua história. Nos últimos 14 anos, não houve desempenho tão ruim quanto esse da equipe comandada por Dyego Coelho.

Até o momento, são cinco derrotas, cinco empates e três vitórias. Isso rende ao time um aproveitamento de 35,9% no Campeonato Brasileiro. No acumulado do ano, a situação piora. Dentre os clubes que perfomam na elite do futebol nacional, o Corinthians está empatado com o Botafogo na última colocação, com 45,16% de aproveitamento.

"Não vai ser do dia para a noite que vamos resolver todos os problemas da equipe. Hoje (sábado) já fomos mais competitivos e no segundo tempo conseguimos uma produção ofensiva melhor", disse Coelho, após o empate.

Em termos de comparação, em 2007, quando o clube foi rebaixado para a segunda divisão, os resultados do primeiro terço do Brasileirão foram superiores aos de agora. Naquele ano, até a 13ª rodada o clube acumulava quatro derrotas, cinco empates e quatro vitórias, o que lhe rendia 17 pontos. Hoje, são 14.

O pior início, no entanto, é de 2006, ano em que a competição passou a ter 38 rodadas. Naquela temporada, o clube alvinegro fez apenas 10 pontos nos 13 primeiros jogos. Contudo, isso não impediu a equipe de terminar o campeonato na 10ª colocação.

 Jô, um mês sem gols

O ataque, que não faz gols há quatro rodadas, vê sua referência na mesma situação. Jô, que chegou com o status de artilheiro, marcou apenas um gol nas últimas nove partidas que disputou. O gol saiu há cinco rodadas, contra o Bahia. Na ocasião, o Corinthians venceu por 3 a 2.

 Mas não é possível culpar apenas Jô pelo jejum do sistema ofensivo alvinegro. Quando a bola chega, ele ao menos tenta concluir. Até o momento, o atacante finalizou 21 vezes, 11 em direção ao gol. Coelho disse que treina o elenco para que a bola chegue com mais facilidade aos pés do centroavante.

 "Mais uma vez eu falo que é evolução de treino para gente chegar no ataque e se impor cada vez mais no campo do adversário. Hoje (no empate com o Red Bull Bragantino) fizemos isso, tentamos fazer com que jogássemos mais no campo adversário para a bola chegar com mais facilidade ao Jô. Essa é a nossa função durante os treinamentos", revelou..

O Corinthians volta a entrar em campo nesta quarta-feira, às 19 horas, diante do Santos. O clássico será disputado na Neo Química Arena e é considerado decisivo para o time resgatar o bom futebol. A equipe está na 14ª colocação, a dois pontos da zona de rebaixamento. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.