Corinthians adia anúncio do novo técnico

A contratação do novo treinador tem dado mais trabalho à diretoria do Corinthians do que se imaginava na noite de segunda-feira, quando Oswaldo de Oliveira foi demitido e as negociações com seu substituto iniciadas. Mário Sérgio continua favorito ao cargo. Porém, detalhes do projeto (que precisa ser para curto prazo, afinal o Campeonato Brasileiro já está na oitava rodada) e a formação da comissão técnica adiaram o acerto definitivo. A expectativa é de que o acordo seja concretizado amanhã. Porém, a situação dentro do clube é curiosa. Alguns dirigentes defendem que a pressa na conclusão é fundamental, pois o novo comandante precisaria do maior tempo possível para preparar o time que, no domingo, faz o clássico diante do São Paulo. Por outro lado, existem os defensores da tese de que seria uma temeridade estrear técnico em um jogo cercado de tanta rivalidade. A melhor opção, para esse grupo, é protelar, já que a competição será paralisada no início de junho por causa dos jogos das seleção brasileira pelas Eliminatórias (Argentina e Chile, dia 3 a 6, respectivamente). Dessa forma, o novo treinador teria chance de trabalhar mais tempo com a equipe antes de sua estréia. O Brasileiro será reiniciado no dia 13, quando o Corinthians vai até Goiânia enfrentar o Goiás. No Parque São Jorge o comentário é de que Mário Sérgio teria exigido a contratação de uma nova comissão técnica, claro, indicada por ele. O pedido não é bem visto pelos cartolas, que, por razões econômicas, preferem manter os profissionais que lá estão. Além disso, há pouco mais de dois meses Moracy Sant?Anna, então preparador físico, e Jairo Leal, auxiliar-técnico, foram demitidos. A cúpula corintiana também conversa com Tite. O gaúcho é a opção para o caso de a negociação com Mário Sérgio não progredir. Pesa a seu favor o fato de aceitar trabalhar com o atual staff. Repercussão - A possibilidade de Mário Sérgio assumir o time provocou constrangimentos entre os jogadores mais experientes. Embora se esforçassem para disfarçar, não conseguiram esconder a preocupação pelo fato do favorito ao cargo ser caracterizado pelo gosto por trabalhar com atletas mais jovens. O lateral-direito Rogério tentou ser diplomático ao comentar o assunto. Mas revelou: pode deixar o clube se a filosofia for confirmada. "É um direito do treinador escolher com quem quer trabalhar. Se isso acontecer mesmo, acho que não me resta outra alternativa a não ser procurar novos ares", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.