Corinthians ainda espera boas propostas para patrocínio

A diretoria do time do Parque São Jorge conversa com quatro marcas para o espaço principal, o da camisa

Vitor Marques - Jornal da Tarde,

23 de dezembro de 2008 | 09h10

O Corinthians não abriu mão de conseguir o melhor contrato de patrocínio do País, apesar da crise financeira mundial, e negocia atualmente com sete empresas. Encerrado o vínculo com a Medial Saúde na última sexta-feira, a diretoria conversa com quatro marcas para o patrocínio principal, o da camisa. Para o espaço das mangas e calção, três propostas estão sendo analisadas pelo empresário do atacante Ronaldo, Fabiano Farah.Veja também:Corinthians sai na frente e inicia pré-temporada nesta sextaDesmanche durante a temporada não assusta o Corinthians Dê seu palpite no Bolão Vip do LimãoDas quatro marcas para o patrocínio da camisa, a que está mais próxima do Corinthians é a companhia aérea Fly Emirates. Também estariam na disputa dois grandes bancos: Itaú e Bradesco. Antes de Ronaldo ser anunciado como reforço para 2009, o Bradesco havia fechado contrato para emitir o cartão de crédito oficial do clube. O Corinthians também procurou empresas como Volkswagen e Coca-Cola.Em uma das apresentações da cantora Madonna, em São Paulo, Ronaldo foi visto conversando com o diretor de marketing do Bradesco, Luca Cavalcanti, segundo a edição desta segunda-feira do jornal Gazeta Mercantil. Pelo contrato assinado com o Corinthians, o atacante receberá 80% do valor do patrocínio das mangas e calção. Foi a maneira que o clube encontrou para que o jogador receba cerca de R$ 10 milhões anuais - salário equivalente ao que ele receberia na Europa.O Corinthians espera faturar, no mínimo, R$ 20 milhões pelo patrocínio da camisa, conforme o clube divulgou em seu orçamento para 2009. O departamento de marketing, porém, almeja R$ 25 milhões. Seria o maior contrato do País, superando os R$ 16,5 milhões investidos pela Medial em 2008 e os R$ 16 milhões que a LG paga ao São Paulo, cujo contrato também termina neste mês.Os valores da manga e calção estão sendo negociados por cerca de R$ 13 milhões. A Nike, cujo contrato termina ano que vem, paga R$ 5 milhões para oferecer o material esportivo, com acordo até o fim do ano. A diretoria corintiana esperava fechar os contratos de patrocínio antes do Natal, mas o mais provável é que as definições aconteçam somente em janeiro, antes do início do Paulistão.

Tudo o que sabemos sobre:
CorinthiansfutebolpatrocínioRonaldo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.